Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Rússia vai proteger suas cidades com novos sistemas de defesa antimísseis

O Ministério da Defesa da Rússia deu luz verde à construção de novos sistemas antimísseis não estratégicos para proteger cidades, pontes, ferrovias e outros lugares de especial importância estratégica para o país, informou o jornal russo Izvestia.


Sputnik

Segundo fontes do ministério, os novos sistemas de mísseis seriam montados em caminhões para que, em caso de ameaça, possam ser instalados em várias horas onde for necessário. Segundo o especialista militar Anton Lavrov, o objetivo principal seria interceptar mísseis balísticos e aerobalísticos.

Sistema de mísseis S-400
S-400 Triumph © Sputnik / Igor Zarembo

"Nos conflitos no Oriente Médio, vemos que os mísseis balísticos com um alcance de centenas de quilômetros estão nos arsenais não apenas de Estados, mas também de grupos não estatais", explicou o analista.

De acordo com ele, os mísseis balísticos não estratégicos alcançam altas velocidades e são fáceis de manobrar mesmo durante a fase final de voo, por isso é difícil interceptá-los. A última geração dos sistemas antimísseis russos S-400 e S-500 foi projetada precisamente para combater essas novas ameaças.

O especialista militar Yuri Liamin, por sua vez, adverte que nas últimas décadas muitos países têm desenvolvido programas para criar mísseis táticos de curto e longo alcance e que esses mísseis representam "uma séria ameaça". Ele apontou como exemplo a Coreia do Norte e alguns países do Oriente Médio como a Arábia Saudita.

Por outro lado, países como Israel têm impulsionado a criação de sistemas antimísseis com um alcance de 300 quilômetros, conhecido por sua sigla LORA. Quanto aos EUA, a empresa Raytheon está envolvida no desenvolvimento do míssil tático DeepStrike, com um alcance de 499 quilômetros.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas