Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

'Se nosso país for atacado, teremos a resposta', diz analista sobre arsenal nuclear russo

Recentemente, o presidente russo expressou sua opinião em relação ao conceito de ataque nuclear preventivo que, segundo ele, não existe na Rússia. Um analista militar comenta em que é que consiste a doutrina de armas nucleares do país.


Sputnik

Ontem (18), durante uma discussão do clube Valdai na cidade de Sochi, Vladimir Putin assegurou que Moscou usaria seu arsenal nuclear apenas em resposta a um ataque do inimigo. Mais cedo, ao falar do mesmo assunto, o presidente tinha observado que tal decisão só pode ser tomada caso os sistemas de alerta precoce não só registrem um lançamento de mísseis, mas também confirmem que sua trajetória está orientada contra o território russo.


O caça russo MiG-31 equipado com mísseis balísticos Kinzhal
Mig-31 russo com míssil balístico Kinzhal © Sputnik / Ilia Pitalev

Em uma conversa com o serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista do Centro de Jornalismo Militar e Político, Boris Rozhin, observou que, de fato, o objetivo final do conceito de armas nucleares russo é a manutenção da atual arquitetura de segurança.

"Isso já foi repetidamente frisado tanto pelas nossas autoridades, como pelos militares. Nosso conceito estratégico tem um caráter defensivo: ou seja, ao desenvolver as forças da tríade nuclear e ao melhorar seus meios de lançamento e os próprios armamentos nucleares, a Rússia tem como objetivo a manutenção de paridade estratégica com os EUA e seus aliados, bem como a manutenção de uma arquitetura de segurança nuclear estável", disse.

Na opinião do especialista, através da sua política Moscou pretende manter a estabilidade que os EUA "estão desmantelando" através da criação de seu novo sistema de defesa antimísseis, minando os acordos da série START (Tratado de Redução de Armas Estratégicas) e "desenvolvendo sistemas de armas nucleares completamente novos".

"Particularmente, segundo comunicou a mídia, através da criação de mini-ogivas para uso em regiões de conflitos locais. Tudo isso arrasta o mundo para uma nova corrida aos armamentos nucleares. Estamos contra isso, nós defendemos a manutenção do status quo existente, mas se nosso país for atacado, teremos a resposta", resumiu Rozhin.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas