Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Síria: ONU deve investigar ataque da coalizão que matou 62 civis

O ministério das Relações Exteriores da Síria acusou os países da coalizão internacional liderada por os EUA de violar o direito internacional ao bombardear áreas na província de Deir ez-Zor, matando pelo menos 62 civis.


Sputnik

"O crime cometido pela coligação prova mais uma vez que os seus países ignoram o direito internacional e carecem de valores morais", diz a carta do ministério das Relações Exteriores da Síria, enviada ao Secretário-Geral da ONU, informou SANA.


Situação em Deir ez-Zor
Bombardeio a Deir ez-Zor, Síria © Sputnik / Mikhail Alaeddin

A chancelaria síria pediu por uma investigação independente e imparcial do ataque aéreo, bem como a adoção de medidas para que situações semelhantes não se repitam.

"Este crime horrível provou para todos que o objetivo dos EUA nesta operação ilegítima não é lutar contra o terrorismo, mas assassinar o maior número possível de sírios e ignorar por completo os valores humanitários", acrescenta a carta.

A agência de notícias SANA informou neste sábado que os ataques da coalizão contra as aldeias de Al-Sousse e Al-Bubadran mataram 62 civis.

Segundo a agência, os ataques foram realizados nas últimas 24 horas.

A agência destacou que os números da tragédia ainda podem aumentar, pois muitas casas foram destruídas e muitos feridos ainda estão sob os escombros.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas