Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Submarinos russos são temidos pela Marinha dos EUA, diz oficial norte-americano

Segundo o Pentágono, a Marinha da Rússia não uma das principais ameaças, contudo, ela representa um grande desafio para Washington e aliados da América na OTAN.


Sputnik

Conforme citado em artigo da revista The National Interest, os submarinos russos seriam capazes de atacar a Europa e até a região continental dos EUA, por possuírem lançadores de mísseis de cruzeiro. Tanto é que o comandante da Marinha dos EUA na Europa, almirante James G. Foggo III, afirmou que "[…] a Rússia me deixa preocupado e vigilante […]" e que uma de suas principais preocupações é a frota de submarinos russos.

K-535 de classe Borei submarino de mísseis balísticos Yuri Dolgorukiy no mar.
Submarino russo da Classe Borei K-535 Yuri Dolgorukiy © Foto : Serviço de emprensa Sevmas

O motivo de tanta preocupação seria o fato de a Rússia continuar seus trabalhos de pesquisa e desenvolvimento na área, produzindo diversos novos pequenos navios e submarinos, possivelmente com foco na Europa e nos EUA, segundo Foggo, enfatizando que os novos submarinos russos, armados com mísseis de cruzeiro de longo alcance Kalibr, podem atingir qualquer alvo na Europa com precisão.

"Os russos criaram o novo submarino da classe Dolgorukiy e construíram o submarino da classe Severodvinsk. Eles lançaram os novos submarinos híbridos de classe Kilo. Seis deles estão operando no mar Negro […]", declarou o almirante, ressaltando que "[…] os submarinos russos poderiam disparar mísseis Kalibr, que seriam capazes de atingir qualquer capital europeia".

Entretanto, o almirante não acredita que a Rússia realizará um ataque sem motivo, mas diz que Washington "[…] deve saber cada movimento dos russos o tempo todo […]". Além disso, ele acredita também que é preciso melhorar o potencial naval, pois atualmente, caso haja um conflito, a "vitória não estaria garantida".

Concluindo, Foggo refere que a preocupação com o desenvolvimento não é apenas em relação a submarinos, mas também de aviões de patrulha, todos os tipos de sensores e da frota de superfície, bem como o treinamento e a capacidade de localizar seus adversários.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas