Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Tensão crescente: Japão envia blindados ao exterior pela 1ª vez desde Segunda Guerra

As tropas do Japão, que participaram dos exercícios conjuntos com militares dos EUA e das Filipinas em 6 de outubro, usaram veículos blindados no exterior pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial.


Sputnik

Durante essas manobras, que tiveram lugar em território filipino, a parte japonesa simulou a entrega de apoio humanitário durante uma operação para recuperar uma zona capturada por terroristas. Nessa atividade, 50 soldados japoneses desarmados marcharam atrás de quatro veículos blindados para recolher os supostos feridos das Filipinas e dos EUA.

Tanque durante exercícios militares no Japão
Tanque japonês durante exercício militar © AP Photo / Shizuo Kambayashi

O major japonês Koki Inoue disse que o objetivo das manobras era "aumentar nossa capacidade operacional", bem como "melhorar nossa assistência humanitária e capacitação para o socorro em casos de desastre", e lembrou que o Japão não esteve envolvido em práticas de combate.

Um oficial de comunicações do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, por sua vez, disse à agência AP que esses exercícios "não têm nada a ver" com uma nação ou qualquer exército estrangeiro, mas "estão exclusivamente relacionados ao terrorismo nas Filipinas".

Tensões com a China

No entanto, o jornalista Christopher Woody, do portal Business Insider, observa que essas manobras conjuntas do Japão, EUA e Filipinas ocorrem em meio à crescente tensão entre a China e seus adversários.

Os exercícios foram realizados em uma base naval filipina localizada na ilha de Luzon, a cerca de 200 quilômetros do recife de Scarborough — ilha de Huangyan, segundo os chineses — que Manila disputa com Pequim no mar do Sul da China.

Além disso, eles ocorreram logo depois de uma série de incidentes recentes entre os EUA e a China em águas próximas, como simulações de combates aéreos no mar do Sul da China usando bombardeiros estratégicos B-52 ou o incidente perigoso de aproximação de um navio da Marinha da China a uma embarcação militar dos EUA no mar do Sul da China perto das Ilhas Spratly.

Nesse sentido, Woody lembrou que o Japão também disputa territórios com a China no mar do Sul da China e que sua presença foi uma das razões para que suas forças militares "aumentassem suas capacidades".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas