Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Chefe da ONU diz que é essencial evitar escalada de tensões no Irã

O chefe da Organização das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, alertou neste domingo que é essencial evitar “qualquer forma de escalada” das tensões no Golfo, em meio a temores de um conflito após a derrubada de um drone norte-americano pelo Irã na semana passada.
Por Catarina Demony | Reuters

LISBOA (Reuters) - “O mundo não pode permitir um grande confronto no Golfo”, disse Guterres, nos bastidores da Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude, em Lisboa . “Todos devem manter nervos de aço.”

Na quinta-feira, um míssil iraniano destruiu um drone de vigilância dos EUA, em um incidente que o governo norte-americano disse que aconteceu no espaço aéreo internacional.

Trump disse mais tarde que ordenou o cancelamento de um ataque militar em retaliação pela ação que poderia ter resultado em 150 mortes.

Teerã repetiu no sábado que o drone foi abatido sobre seu território e disse que responderia com firmeza a qualquer ameaça dos EUA.

Os comentários de Guterres vêm um dia depois…

Tensão crescente: Japão envia blindados ao exterior pela 1ª vez desde Segunda Guerra

As tropas do Japão, que participaram dos exercícios conjuntos com militares dos EUA e das Filipinas em 6 de outubro, usaram veículos blindados no exterior pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial.


Sputnik

Durante essas manobras, que tiveram lugar em território filipino, a parte japonesa simulou a entrega de apoio humanitário durante uma operação para recuperar uma zona capturada por terroristas. Nessa atividade, 50 soldados japoneses desarmados marcharam atrás de quatro veículos blindados para recolher os supostos feridos das Filipinas e dos EUA.

Tanque durante exercícios militares no Japão
Tanque japonês durante exercício militar © AP Photo / Shizuo Kambayashi

O major japonês Koki Inoue disse que o objetivo das manobras era "aumentar nossa capacidade operacional", bem como "melhorar nossa assistência humanitária e capacitação para o socorro em casos de desastre", e lembrou que o Japão não esteve envolvido em práticas de combate.

Um oficial de comunicações do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, por sua vez, disse à agência AP que esses exercícios "não têm nada a ver" com uma nação ou qualquer exército estrangeiro, mas "estão exclusivamente relacionados ao terrorismo nas Filipinas".

Tensões com a China

No entanto, o jornalista Christopher Woody, do portal Business Insider, observa que essas manobras conjuntas do Japão, EUA e Filipinas ocorrem em meio à crescente tensão entre a China e seus adversários.

Os exercícios foram realizados em uma base naval filipina localizada na ilha de Luzon, a cerca de 200 quilômetros do recife de Scarborough — ilha de Huangyan, segundo os chineses — que Manila disputa com Pequim no mar do Sul da China.

Além disso, eles ocorreram logo depois de uma série de incidentes recentes entre os EUA e a China em águas próximas, como simulações de combates aéreos no mar do Sul da China usando bombardeiros estratégicos B-52 ou o incidente perigoso de aproximação de um navio da Marinha da China a uma embarcação militar dos EUA no mar do Sul da China perto das Ilhas Spratly.

Nesse sentido, Woody lembrou que o Japão também disputa territórios com a China no mar do Sul da China e que sua presença foi uma das razões para que suas forças militares "aumentassem suas capacidades".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas