Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Lançamento do Submarino Riachuelo – S40 (VIDEO)

Hoje, 14 de dezembro, às 10h da manhã em Itaguaí-RJ, teve início a Cerimônia de Lançamento do Submarino Riachuelo, o primeiro de uma série de quatro submarinos convencionais e um nuclear que estão sendo construídos pela Marinha do Brasil. A cerimônia conta com a presença do Presidente da República.
Poder Naval

O nome do primeiro submarino, “Riachuelo”, é alusivo à Batalha Naval do Riachuelo, considerada decisiva na Guerra do Paraguai, com atuação destacada da Marinha do Brasil.


Acompanhe a Cerimônia em tempo real no vídeo no final deste post.
Prosub

O Brasil tem o mar como uma forte referência em todo o seu desenvolvimento. É nessa área marítima que os brasileiros desenvolvem as atividades pesqueiras, o comércio exterior e a exploração de recursos biológicos e minerais. A imensa riqueza das águas, do leito e do subsolo marinho nesse território justifica seu nome: Amazônia Azul.

A Amazônia Azul cobre uma área de 3,5 milhões de quilômetros quadrados. Mas o país pleiteia na Organização das Naç…

US Navy encomenda 10 destróieres por US$ 9 bilhões

BIW recebe contrato de US$ 3,9 bilhões para quatro destróieres, enquanto a HII construirá seis


Poder Naval

A Bath Iron Works recebeu um contrato de US$ 3,9 bilhões para construir quatro destróieres de mísseis guiados classe “Arleigh Burke” adicionais, garantindo uma carga de trabalho robusta para o estaleiro até 2022.

USS Rafael Peralta em provas de mar
USS Rafael Peralta em provas de mar

Ainda assim, a BIW foi superada por seu principal concorrente, a Huntington Ingalls Industries de Pascagoula, Mississippi, que recebeu simultaneamente um contrato de US$ 5,1 bilhões para construir seis dos destróieres da Marinha dos EUA.

Normalmente, os novos contratos para os destróieres da classe “Arleigh Burke” foram divididos igualmente entre a BIW e a HII.

Com US$ 3,9 bilhões para quatro destróieres, a BIW está cobrando da Marinha US$ 975 milhões por navio. Em comparação, o contrato de US$ 5,1 bilhões da Huntington Ingalls para seis destróieres indica que o maior concorrente da BIW está cobrando apenas US$ 850 milhões por navio.

Autoridades da BIW divulgaram um comunicado sobre o novo contrato no dia 27 de setembro, mas não comentaram o fato de que ele incluiu dois navios a menos do que a competição recebeu.

O contrato de BIW, que envolve a construção de um navio por ano, de 2019 a 2022, permite uma receita adicional de até US$ 130 milhões se determinadas opções forem exercidas. O contrato da Huntington Ingalls permite uma receita adicional de US$ 150 milhões.

Os destróieres encomendados manterão a BIW aproximadamente na mesma cadência de produção de destróieres da classe “Arleigh Burke” dos últimos anos. Com a conclusão do terceiro e último “destróier invisível” da classe “Zumwalt”, o estaleiro está à procura de um novo contrato que possa substituir esse trabalho.

Para esse fim, a empresa fez uma oferta para construir a nova fragata da Marinha dos EUA. Se a BIW vencer a licitação, poderia dar ao estaleiro até 20 navios adicionais para construir nos próximos anos.

Com a aquisição para esses navios a partir de 2020, o estaleiro estaria produzindo dois navios por ano, além dos destróieres da classe “Arleigh Burke”.

Em maio, a Marinha dos EUA anunciou que estenderia a vida útil dos destróieres da classe “Arleigh Burke” para 45 anos para alcançar uma Marinha de 355 navios nos próximos 30 anos. A extensão aumentará a vida útil dos destróieres DDG-51 de cinco a 10 anos, dependendo do navio.

Já foram completados 68 destróieres classe DDG-51, com 82 unidades planejadas até julho de 2018.

Zumwalt

O destróier da classe “Arleigh Burke” tem sido o núcleo da produção da BIW por décadas. O estaleiro está construindo os destróieres quase continuamente desde 1988. O programa foi interrompido brevemente em meados dos anos 2000 com a intenção de substituir os navios pelos destróieres altamente avançados da classe “Zumwalt”.

O futuro USS Michael Monsoor (DDG 1001) em provas de mar
O USS Michael Monsoor (DDG 1001) em provas de mar

Diante dos custos mais altos e das dificuldades de incorporar novas tecnologias aos destróieres furtivos, a Marinha recuou rapidamente, e em 2009 anunciou que estaria limitando a produção de destróieres da classe “Zumwalt” a apenas três navios e retomando a produção da classe “Arleigh Burke”, embora com algumas atualizações.

A produção de todos os três destróieres da classe “Zumwalt” foi concedida à BIW, com dois agora prontos e o terceiro atualmente sendo construído.

Em julho, a Marinha dos EUA anunciou que o segundo destróier da classe “Zumwalt”, o USS Michael Monsoor de US$ 7,5 bilhões, precisava de um motor de US$ 20 milhões substituído porque os inspetores encontraram danos após os testes de aceitação naval do navio.

Tanto o Monsoor quanto seu antecessor, o USS Zumwalt, sofreram uma variedade de problemas mecânicos.

Os membros da tripulação no Zumwalt encontraram um vazamento de água do mar em um sistema de lubrificação para um dos eixos propulsores do navio em setembro de 2016, menos de um mês após o navio ter deixado Bath.

Em novembro de 2016, o navio sofreu outra avaria mecânica, exigindo que fosse rebocado para um porto no Canal do Panamá. Estava transitando pelo canal quando perdeu a propulsão em um de seus dois eixos de transmissão, e os membros da tripulação perceberam a entrada de água nos mancais conectando o eixo com seu motor elétrico.

A Monsoor teve que interromper seus primeiros testes no mar por causa de uma falha no sistema elétrico no dia seguinte à saída do BIW em dezembro. A falha durante os testes do construtor do navio impediu que os trabalhadores testassem a propulsão e os sistemas elétricos na potência máxima. O navio retornou ao estaleiro sob sua próprio força e retornou ao mar depois que o problema foi resolvido.

Especialistas em construção naval disseram que grandes falhas mecânicas são ocorrências comuns entre os primeiros membros de uma nova classe de navios, particularmente navios equipados com tecnologia de ponta, como a classe “Zumwalt”.

FONTE: Portland Press Herald

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas