Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Venezuela reorganiza Comando Conjunto de Defesa Aeroespacial

A Venezuela completou a reforma da estrutura organizacional das tropas de defesa aérea, criando cinco brigadas após a conclusão de um longo período de compra de armas modernas na Rússia para equipá-las.


Forças Terrestres

O fornecimento de equipamentos e armas permitiu que o Comando Conjunto de Defesa Aeroespacial Integral (CODAI) iniciasse em junho de 2014 a reorganização da estrutura organizacional em cinco brigadas de defesa aérea: 19 (localização de Maracaibo), 29 (El Sombrero), 39 (Caracas), 49 (Barcelona), 59 (Bolívar) e uma brigada de apoio material.

Caças F-16 sobrevoam sistemas de defesa aérea venezuelanos
Caças F-16 sobrevoam sistemas de defesa aérea venezuelanos

Cada brigada inclui dispositivos de detecção e controle de radar, bem como armas de fogo, incluindo artilharia antiaérea e sistemas de mísseis antiaéreos.

No período de 2008 a junho de 2014, as forças armadas venezuelanas receberam até 300 unidades de artilharia antiaérea rebocadas de 23 mm ZU-23/30M1-4, várias centenas de mísseis antiaéreos Igla-S, pelo menos 11 baterias Pechora-2M S-125, 12 SAMs Buk-M2E e três baterias S-300VM Antey-2500.

COLABOROU: Rustam Bogaudinov

Postar um comentário

Postagens mais visitadas