Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Analista avalia probabilidades de assinatura de tratado de paz entre Rússia e Japão

É pouco provável que a Rússia e o Japão assinem um tratado de paz, mas poderá haver algum progresso nas negociações sobre o estatuto das Ilhas Curilas após o encontro entre o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e o presidente russo Vladimir Putin, disse Yuri Tavrovsky, professor da Universidade Russa da Amizade dos Povos, à Sputnik.


Sputnik

Recentemente a imprensa japonesa escreveu que o primeiro-ministro Shinzo Abe tem a intenção, nas margens da próxima reunião da ASEAN, de sugerir ao líder russo acelerar as negociações sobre a resolução da questão do estatuto das Ilhas Curilas, com base na declaração soviético-japonesa de 1956. Após a Segunda Guerra Mundial, a Rússia e o Japão não chegaram a concluir um tratado de paz.


Ilhas Curilas, área de disputa histórica entre a Rússia e o Japão
Ilhas Curilas © Sputnik / Alexander Liskin

O Japão reivindica as ilhas de Kunashir, Shikotan, Iturup e Habomai, se baseando no tratado bilateral sobre o comércio e as fronteiras de 1855. A posição de Moscou é que as ilhas se tornaram parte da URSS após a Segunda Guerra Mundial e que a soberania da Federação da Rússia sobre elas é indiscutível.

Em 1956, a URSS e o Japão assinaram uma declaração conjunta. A URSS esperava que esta declaração pusesse fim à disputa, mas o Japão considerou o documento apenas como parte da solução do problema, mantendo as reivindicações em relação a todas as ilhas.

De acordo com este documento, Moscou manifestou prontidão, após a assinatura do tratado de paz, de entregar as ilhas de Shikotan e Habomai ao Japão. A proposta de Abe, ao que se sabe, incluiria a possibilidade de discutir a soberania de Kunashir e Iturup, que não são mencionadas na declaração. Como nota a imprensa japonesa, Abe espera que os países cheguem a um acordo em 2019.

"Acredito que a proposta de Abe é possível. Abe já realizou muitas tentativas de resolver esse problema, que é basicamente insolúvel", disse Tavrovsky à Sputnik.

O especialista acha que é impossível resolver o problema de um tratado de paz entre a Rússia e o Japão, porque este problema está relacionado com os resultados da Segunda Guerra Mundial. Praticamente todas as grandes mudanças na fronteira russo-japonesa ocorreram em resultado de guerras. Quaisquer concessões territoriais vão contra os interesses nacionais da Rússia.

"A fronteira pode ser mudada só em resultado de uma nova guerra entre a Rússia e o Japão, o que é absolutamente impossível", disse ele.

Tavrovsky lembrou que o Japão tem disputas territoriais com todos os outros vizinhos e que a solução da questão territorial entre Moscou e Tóquio causará preocupação à China e à Coreia do Sul, causando instabilidade no oceano Pacífico.

O especialista acredita que o governo japonês, incluindo Shinzo Abe, é forçado por razões políticas internas a buscar novos meios de solução do problema territorial. Segundo ele, Abe entende que o problema do tratado de paz é insolúvel, impede-o de melhorar as relações com a Rússia, mas, dada a opinião pública japonesa, o primeiro-ministro do Japão é obrigado a lidar com essa contradição.

"Nenhuma pedra das Ilhas Curilas se tornará japonesa no futuro previsível", acrescentou o professor.

Por isso, os avanços quanto ao tratado de paz podem ter a ver apenas com o surgimento de novas formulações, novos prazos, mas na prática a situação não mudará.

Em setembro, no Fórum Econômico do Oriente, Putin, falando com Abe, inesperadamente propôs elaborar um tratado de paz sem condições preliminares até o final do ano. Após o encontro, Abe explicou mais uma vez a posição do Japão, tornando impossível aceitar a proposta. Ao mesmo tempo, o governo do Japão e pessoalmente Abe consideraram a proposta do presidente russo como uma expressão de seu desejo de terminar as complexas negociações.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas