Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

'Chaves do céu': analista indica por que Índia decidiu comprar mísseis russos

A Rússia ganhou a licitação para fornecer à Índia complexos de mísseis antiaéreos. Segundo indica um especialista militar russo, a Índia é um antigo parceiro técnico-militar da Rússia e o último contrato indica o fortalecimento da cooperação bilateral.


Sputnik

Recentemente, a Rússia ganhou a licitação para fornecer à Índia sistemas de defesa antiaérea no valor de US$ 1,5 bilhão (R$ 5,6 bilhões), revelou uma fonte da indústria militar russa.


Sistema de defesa antiaérea portátil Igla é disparado a partir de um veículo blindado Tigr no âmbito dos exercícios táticos Rubezh 2016
Míssil antiaéreo Igla disparado de cima de um jipe Tigr © Sputnik / Mikhail Voskresenskiy

Em 19 de novembro, o canal de televisão indiano NDTV informou que a Rosoboronexport — empresa estatal russa de exportações e importações de produtos, tecnologias e serviços militares e de defesa — ofereceu as condições mais favoráveis na licitação que a Índia havia aberto para o fornecimento de sistemas antiaéreos portáteis.

Nessa conexão, o especialista militar russo Aleksei Leonkov explicou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik por que tal escolha da parte indiana não é surpreendente.

"A Índia é um antigo parceiro da Rússia na área de cooperação técnico-militar e, no âmbito do alargamento dessa colaboração, mostra interesse em nossos sistemas de defesa antiaérea", destacou.

Entretanto, o especialista sublinhou que "tudo começou com os complexos S-400 e continuará, ao que parece, com outros sistemas. Isso significa que a Índia está pensando a sério em construir um sistema de defesa de vários níveis na base dos complexos antiaéreos russos. E o primeiro passo já foi dado", opina.

Assim, conclui o analista, não é surpreendente que "a parte indiana tenha escolhido justamente os nossos complexos graças ao seu caráter único e à capacidade de manter as 'chaves do céu'".

A Rússia e Índia são os maiores parceiros na área de cooperação técnica-militar: mais de 70% do armamento e material militar que estão em serviço nas Forças Armadas da Índia são de produção russa ou soviética. Ademais, a Rússia fornece anualmente ao país material militar e armamentos no valor de vários bilhões de dólares.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas