Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Coalizão liderada pela Arábia aceita retirar rebeldes feridos no Iêmen

A coalizão militar liderada pela Arábia Saudita aceitou a retirada de huthis feridos do Iêmen, um dos principais obstáculos às negociações realizadas em setembro em Genebra mediadas pela ONU, anunciou nesta terça-feira a chancelaria britânica.


France Presse

"As forças da coalizão permitirão que a ONU supervisione uma retirada médica dos huthis, incluindo até 50 combatentes feridos, para Omã antes de outra rodada de negociações de paz na Suécia, no final deste mês", afirmou o ministério em um comunicado após a visita do chanceler, Jeremy Hunt, à Arábia Saudita.


Resultado de imagem para Coalizão liderada pela Arábia aceitar retirar rebeldes feridos no Iêmen
Escombros de casas destruídas em ataques aéreos liderados pela Arábia Saudita no Iêmen | Reprodução

Combates violentos continuam a abalar a cidade portuária de Hodeida, no oeste do Iêmen, enquanto que as potências da ONU e do Ocidente acentuam a pressão sobre os lados beligerantes para que cessem as hostilidades.

A ofensiva contra Hodeida, apoiada militarmente pela Arábia Saudita e pelos Emirados Árabes Unidos, começou em junho, mas se intensificou no início de novembro.

De acordo com fontes militares e médicas, 461 rebeldes huthis - apoiados pelo Irã -, 125 combatentes leais e 8 civis morreram desde então.

O Iêmen sofre a pior crise humanitária do mundo hoje em dia, segundo a ONU, com 14 milhões de pessoas passando fome.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas