Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Conheça Sílvia Nobre Waiãpi, índia convocada por Bolsonaro (VIDEO)

Ela é tenente do Exército e tem uma história incrível de superação


Pleno News

A tenente do Exército Sílvia Nobre Waiãpi foi uma das nomeadas para integrar a equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro. Seu nome foi anunciado junto com o da tenente Liane de Moura e com a economista Clarissa Costalonga e Gandour.


Conheça Sílvia Nobre Waiãpi, índia convocada por Bolsonaro
Sílvia Nobre Waiãpi é tenente do Exército e tem uma história incrível de superação | Reprodução

Waiãpi é a primeira mulher indígena a integrar o grupo. Também é a primeira índia a entrar para as Forças Armadas do Brasil. Antes de ingressar no serviço militar precisou enfrentar a fome e a maternidade na adolescência.

Ela se tornou mãe de uma menina aos 13 anos, na aldeia em que morava no Parque Indígena do Tumucumaque, Amapá. O povoado tem apenas 950 habitantes, de acordo com o último Censo, e 1,3 mil segundo os índios.

Aos 14 anos, ela sofreu um acidente e foi perfurada no abdome por um pedaço de madeira. Assim, foi enviada para a cidade para ser operada. Como queria estudar, ela abandonou o local e se mudou sozinha para o Rio de Janeiro, fugida.


Conheça Sílvia Nobre Waiãpi, índia convocada por Bolsonaro
Sílvia Nobre Waiãpi | Reprodução

A oficial já relatou sua história a diversos veículos de comunicação desde 2011, quando se tornou tenente.

– Vim sozinha. Não conhecia ninguém, dormi nas ruas por alguns meses. Eu tinha uma pedra, que acreditava que era sagrada, e a vendi para comer. Com aquele dinheiro eu consegui comer umas duas semanas. Aí eu pensei: “se eu podia vender uma pedra, poderia vender qualquer coisa”. Depois comecei a vender livro de porta em porta – relatou ao portal UOL, em 2011.

Ela conseguiu uma casa para morar depois que a sobrinha de um vendedor ambulante lhe abrigou. Ela conseguiu um emprego no Círculo do Livro e conheceu poetas do Rio de Janeiro, que lhe ajudaram a estudar arte e ir para a escola.

Waiãpi revelou, em entrevista ao Programa Jô Soares em 2012, que uma das maiores dificuldades que teve que enfrentar foi o preconceito.

– Eu tinha uma roupinha muito velha, sem botão, mas que amava porque era minha melhor roupa. E, na escola, escolhiam sempre um aluno para hastear a bandeira. Meu sonho era hastear aquela bandeira, mas eles nunca me escolhiam. Era sempre uma criança branca, não índia. Me falavam que eu era a verdadeira brasileira, então não entendia porque eu não podia fazer aquilo – relatou, na ocasião.

Durante a abertura dos Jogos Mundiais Militares de 2011, ela hasteou a bandeira do Brasil. Atualmente, Waiãpi atua como chefe do Departamento de Medicina Física e Reabilitação em Fisioterapia do Hospital Central do Exército, no Rio de Janeiro.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas