Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Lançamento do Submarino Riachuelo – S40 (VIDEO)

Hoje, 14 de dezembro, às 10h da manhã em Itaguaí-RJ, teve início a Cerimônia de Lançamento do Submarino Riachuelo, o primeiro de uma série de quatro submarinos convencionais e um nuclear que estão sendo construídos pela Marinha do Brasil. A cerimônia conta com a presença do Presidente da República.
Poder Naval

O nome do primeiro submarino, “Riachuelo”, é alusivo à Batalha Naval do Riachuelo, considerada decisiva na Guerra do Paraguai, com atuação destacada da Marinha do Brasil.


Acompanhe a Cerimônia em tempo real no vídeo no final deste post.
Prosub

O Brasil tem o mar como uma forte referência em todo o seu desenvolvimento. É nessa área marítima que os brasileiros desenvolvem as atividades pesqueiras, o comércio exterior e a exploração de recursos biológicos e minerais. A imensa riqueza das águas, do leito e do subsolo marinho nesse território justifica seu nome: Amazônia Azul.

A Amazônia Azul cobre uma área de 3,5 milhões de quilômetros quadrados. Mas o país pleiteia na Organização das Naç…

Daesh usou ouro e prata para terroristas derrubarem aeronaves e usarem armas químicas

Os jihadistas do Daesh foram bem pagos pelo seu serviço, revelam documentos pertencentes ao grupo terrorista e obtidos no Iraque. O uso de agentes químicos foi pago em prata, enquanto derrubar um helicóptero foi recompensado com ouro.


Sputnik

Apesar da crença comum de que os combatentes grupo terrorista eram frequentemente forçados a se juntar à organização ou recrutados com base na convicção de sua fé para realizar jihad, documentos obtidos pela RT na cidade iraquiana de Mossul mostram que a luta pelo autoproclamado califado também teve seus incentivos financeiros.


Bandeira do Daesh no zona do conflito
Bandeira do Daesh (Estado Islâmico) © Sputnik / Andrey Stenin

Juntar-se às fileiras da rede terrorista bem organizada, que uma vez proclamou um califado autodenominado no território da Síria e do Iraque, só foi possível por meio de uma carta de recomendação, na qual o novo recruta foi cuidadosamente avaliado com base em sua formação militar e islâmica.

De vez em quando, os recrutas permaneciam sob a vigilância meticulosa dos comandantes do Daesh, que mantinham o controle sobre seus desdobramentos, munição, suprimentos e eventual morte. Aqueles que serviram no exército de terror leal e fielmente foram recompensados — ou pelo menos foram prometidos uma recompensa.

Por exemplo, aqueles que conseguiram derrubar uma aeronave foram prometidos um carro. Para destruir um helicóptero inimigo ou drone era possível ganhar pelo menos sete dinares de ouro, de acordo com os registros contábeis vistos pela RT árabe.

O uso de armas químicas teve muito menos mérito para o Daesh, que pagou apenas 10 dinares de prata a seus combatentes para disparar um projétil cheio de um agente de guerra química. O gás mostarda e outras substâncias tóxicas foram usadas nas proximidades das áreas de Kirkuk, Fallujah e Tikrit, segundo uma investigação iraquiana sobre o uso de relatórios de armas químicas.

Milhares de combatentes, juntamente com suas famílias, se juntaram ao Daesh no auge da atividade do grupo no Iraque e na Síria. A maioria deles veio de dentro do Iraque, enquanto outros vieram de toda a região, mostraram os documentos do EI mantidos pela inteligência do Exército iraquiano.

"Um grande número de militantes chegou ao Iraque de outros países. Você pode falar sobre centenas de milhares de pessoas, incluindo as famílias de terroristas — esposas e crianças que foram contrabandeadas ilegalmente para o território iraquiano", declarou o tenente-coronel Jaber Assad.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas