Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

De saída, ex-ministro diz que Israel está 'alimentando um monstro' chamado Hamas

O agora ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, que está de saída, criticou o gabinete de segurança por capitular ao Hamas e ao terrorismo, culpando os políticos por alimentar um "monstro" que em breve combinará com o poder do Hezbollah libanês.


Sputnik

Acusando o gabinete de segurança israelense de conceder efetivamente "imunidade" ao Hamas, aceitando os termos de um acordo de cessar-fogo mediado pelo Egito, que interrompeu as hostilidades quentes na Faixa de Gaza esta semana, Lieberman, em seu último discurso oficial, criticou chamou a leniência mostrada pela atual liderança israelense à organização fundamentalista sunita.


Resultado de imagem para Avigdor Lieberman
Avigdor Lieberman | Reprodução

"Atualmente estamos alimentando um monstro que, se não pararmos o rearmamento e a construção de força, em um ano teremos um gêmeo do Hezbollah com tudo o que isso implica", declarou.

Depois de sua turnê de despedida pelos comandantes e soldados das Forças de Defesa de Israel (IDF), o chefe do Exército israelense reiterou sua firme convicção de que as IDF deveriam ter lidado com o Hamas "muito antes, de maneira muito mais determinada", logo após os protestos da Grande Marcha de Retorno, na fronteira de Gaza.

Culpando os políticos israelenses por "capitularem ao terror", o ex-ministro israelense também criticou a recente decisão de Tel Aviv de aliviar o bloqueio de Gaza ao permitir uma injeção de dinheiro no valor de US$ 90 milhões no enclave, "ao preço de longo prazo da segurança nacional".

Lieberman entregou sua carta de renúncia na última quinta-feira, um dia depois de anunciar sua saída do acordo de cessar-fogo mediado pelo Cairo, que pôs fim a 2 dias de hostilidades entre as IDF e os extremistas palestinos.

A crise, descrita como a mais intensa desde a guerra de Gaza em 2014, começou com uma incursão secreta israelense em Gaza no domingo. No que chamaram de "retaliação", o Hamas e o Movimento Jihad Islâmico na Palestina lançaram mais de 400 foguetes e projéteis no sul de Israel na segunda e terça-feira. Israel respondeu atacando mais de 150 alvos "terroristas" no enclave.

Não satisfeito com o resultado dos ataques israelenses contra a Faixa de Gaza, Lieberman tornou-se um defensor de uma incursão em grande escala em Gaza para efetivamente eliminar as capacidades do Hamas de atacar Israel. Enquanto tanques e contingentes extras de tropas estavam sendo enviados para a fronteira, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu aceitou os termos do acordo de cessar-fogo, para o amargo desapontamento do ministro da Defesa. Lieberman foi declaradamente um dos 4 ministros que se opuseram ao acordo.

Com a saída de Lieberman, o líder do Hamas, Yahya Sinwar, aconselhou Israel a "não tentar nos testar novamente", e advertiu contra quaisquer tentativas de assassinato ou ataques contra Gaza no futuro.

"Qualquer um que testar Gaza encontrará morte e veneno. Se formos atacados, deixaremos a barragem de Tel Aviv falar", disse Sinwar. "Nossos mísseis são mais precisos, têm um alcance maior e carregam mais explosivos do que antes".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas