Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

De saída, ex-ministro diz que Israel está 'alimentando um monstro' chamado Hamas

O agora ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, que está de saída, criticou o gabinete de segurança por capitular ao Hamas e ao terrorismo, culpando os políticos por alimentar um "monstro" que em breve combinará com o poder do Hezbollah libanês.


Sputnik

Acusando o gabinete de segurança israelense de conceder efetivamente "imunidade" ao Hamas, aceitando os termos de um acordo de cessar-fogo mediado pelo Egito, que interrompeu as hostilidades quentes na Faixa de Gaza esta semana, Lieberman, em seu último discurso oficial, criticou chamou a leniência mostrada pela atual liderança israelense à organização fundamentalista sunita.


Resultado de imagem para Avigdor Lieberman
Avigdor Lieberman | Reprodução

"Atualmente estamos alimentando um monstro que, se não pararmos o rearmamento e a construção de força, em um ano teremos um gêmeo do Hezbollah com tudo o que isso implica", declarou.

Depois de sua turnê de despedida pelos comandantes e soldados das Forças de Defesa de Israel (IDF), o chefe do Exército israelense reiterou sua firme convicção de que as IDF deveriam ter lidado com o Hamas "muito antes, de maneira muito mais determinada", logo após os protestos da Grande Marcha de Retorno, na fronteira de Gaza.

Culpando os políticos israelenses por "capitularem ao terror", o ex-ministro israelense também criticou a recente decisão de Tel Aviv de aliviar o bloqueio de Gaza ao permitir uma injeção de dinheiro no valor de US$ 90 milhões no enclave, "ao preço de longo prazo da segurança nacional".

Lieberman entregou sua carta de renúncia na última quinta-feira, um dia depois de anunciar sua saída do acordo de cessar-fogo mediado pelo Cairo, que pôs fim a 2 dias de hostilidades entre as IDF e os extremistas palestinos.

A crise, descrita como a mais intensa desde a guerra de Gaza em 2014, começou com uma incursão secreta israelense em Gaza no domingo. No que chamaram de "retaliação", o Hamas e o Movimento Jihad Islâmico na Palestina lançaram mais de 400 foguetes e projéteis no sul de Israel na segunda e terça-feira. Israel respondeu atacando mais de 150 alvos "terroristas" no enclave.

Não satisfeito com o resultado dos ataques israelenses contra a Faixa de Gaza, Lieberman tornou-se um defensor de uma incursão em grande escala em Gaza para efetivamente eliminar as capacidades do Hamas de atacar Israel. Enquanto tanques e contingentes extras de tropas estavam sendo enviados para a fronteira, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu aceitou os termos do acordo de cessar-fogo, para o amargo desapontamento do ministro da Defesa. Lieberman foi declaradamente um dos 4 ministros que se opuseram ao acordo.

Com a saída de Lieberman, o líder do Hamas, Yahya Sinwar, aconselhou Israel a "não tentar nos testar novamente", e advertiu contra quaisquer tentativas de assassinato ou ataques contra Gaza no futuro.

"Qualquer um que testar Gaza encontrará morte e veneno. Se formos atacados, deixaremos a barragem de Tel Aviv falar", disse Sinwar. "Nossos mísseis são mais precisos, têm um alcance maior e carregam mais explosivos do que antes".

Comentários

Postagens mais visitadas