Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Equipe de sauditas limpou provas do caso Khashoggi, afirma jornal turco

Uma equipe de 11 cidadãos sauditas, entre eles um químico e toxicologista, limpou os rastros e eventuais provas do assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi antes que as autoridades turcas pudessem investigar o caso, apontou nesta segunda-feira o jornal governista turco "Sabah".


EFE

Istambul - Os 11 sauditas chegaram ao aeroporto de Istambul no dia 11 de outubro e se hospedaram em um hotel perto do consulado saudita onde o repórter desapareceu no dia 2 do mesmo mês.


Polícia foerense examina a residência do consul sudita em Istambul. EFE/ Sedat Suna
Polícia foerense examina a residência do consul sudita em Istambul. EFE/ Sedat Suna

O jornal revela a identidade de dois desses cidadãos sauditas, o químico Abdullah Al Janabi e o especialista em toxicologia Khaled Yahya Al Zahrani.

Segundo conclui o jornal "Sabah", os suspeitos visitaram diariamente as dependências do consulado e a residência do cônsul entre 11 e 17 de outubro para desaparecer com as provas do caso.

As autoridades turcas conseguiram acessar ambos recintos diplomáticos em 17 de outubro, pois não obtiveram a permissão de Riad para revistar os edifícios requeridos de acordo com a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas.

A Promotoria turca declarou recentemente que Khashoggi, de 59 anos, foi estrangulado e posteriormente esquartejado no consulado de seu país em Istambul, quando compareceu a esse escritório para obter documentos para poder se casar com sua noiva turca.

O jornalista era esperado no consulado por um comando de 15 agentes sauditas que tinham viajado para Istambul poucas horas antes e retornaram a Riad na mesma noite.

O político turco Yasin Aktay afirmou na sexta-feira ao jornal "Hürriyet" que os assassinos esquartejaram o corpo para poder "dissolvê-lo" em uma substância química e se desfazer do mesmo mais facilmente, um ponto que ainda não foi confirmado oficialmente pela Promotoria.

O presidente turco, Recep Tayip Erdogan, afirmou que seu Governo tem a certeza de que a ordem de matar o repórter dissidente "veio dos mais altos níveis" do poder de Riad.

Em uma coluna publicada na sexta-feira no jornal americano "The Washington Post", Erdogan insistiu que o reino ainda deve responder muitas perguntas sobre o que aconteceu com Khashoggi.

"Sabemos que a ordem de matar Khashoggi veio dos níveis mais altos do governo saudita", escreveu o presidente turco.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas