Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Equipe saudita deve ter obedecido ordens em caso Khashoggi, diz Turquia

Uma equipe saudita de 15 homens que voou para a Turquia antes do assassinato de Jamal Khashoggi deve ter recebido ordens para agir, disse o ministro das Relações Exteriores da Turquia, embora tenha reiterado a opinião de Ancara de que as orientações não partiram do rei Salman.


Por Ece Toksabay | Reuters

ANCARA (Reuters) - Falando a repórteres em Tóquio, Mevlut Cavusoglu acrescentou que a Arábia Saudita tem a responsabilidade de dizer à Turquia o que aconteceu com o corpo de Khashoggi, de acordo com a agência de notícias Anadolu.


Resultado de imagem para Ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu
Ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu | 30/10/2018 REUTERS/Murad Sezer

Khashoggi, colunista do Washington Post que era crítico do governo saudita e de seu governante de fato, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, desapareceu no consulado saudita em Istambul no dia 2 de outubro.

Inicialmente autoridades sauditas insistiram que Khashoggi deixou o consulado, e depois disseram que ele morreu em uma “operação ilegal”. Mais tarde o procurador-geral do reino, Saud al-Mojeb, disse que ele foi assassinado de maneira premeditada.

O presidente turco, Tayyip Erdogan, que exigiu mais informações à Arábia Saudita diversas vezes, também pediu que autoridades sauditas digam quem em Riad enviou uma equipe de 15 homens que é suspeita de envolvimento no assassinato.

“Esta equipe de 15 homens não veio à Turquia por conta própria, eles vieram obedecendo ordens. Sem as devidos ordens e permissões 15 pessoas não podem vir da Arábia Saudita parta matar um de seus próprios cidadãos”, disse Cavusoglu.

O chanceler disse que Erdogan conversou com o rei saudita Salman duas vezes após o assassinato e que tem certeza de que o rei não daria ordens para matar alguém.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas