Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Ex-chanceler alemão acusa enviado de Trump de tratar Berlim como 'nação ocupada'

O ex-chanceler da Alemanha, Gerhard Schroeder, não mediu suas palavras para falar sobre o atual embaixador dos Estados Unidos em seu país, Richard Grenell, dizendo que o tratamento dado pelo enviado americano ao país anfitrião era insultante.


Sputnik

Falando com a Agência Reuters sobre Grenell, o veterano político alemão disse que as ações do embaixador sugerem que ele acredita que a Alemanha será ocupada pelos Estados Unidos.


Gerhard Schroeder, ex-chanceler da Alemanha. Foto de arquivo
Ex-chanceler da Alemanha, Gerhard Schroeder © AP Photo / Markus Schreiber

"Não podemos aceitar ser tratados como um país ocupado. Quando vejo o comportamento do embaixador dos EUA na Alemanha, tenho a impressão de que ele se vê como um oficial de ocupação, em vez de um embaixador em um país soberano", afirmou Schroeder.

Grenell, que foi nomeado para seu trabalho atual em maio, causou grande agitação em Berlim. Alguns parlamentares pediram sua saída, sobre suas simpatias declaradas pelas forças políticas europeias de direita e uma abordagem vigorosa na promoção dos interesses das empresas americanas em meio a uma guerra comercial iminente com a União Europeia (UE).

Na entrevista, Schroeder pediu laços mais estreitos entre a Alemanha e a China, dizendo que isso ajudaria tanto a lutar contra as políticas nacionalistas do presidente estadunidense Donald Trump. Ele advertiu contra a demonização de Pequim e argumentou que os investidores chineses eram preferíveis para os europeus aos "gafanhotos" americanos — um termo usado por seu colega de partido Franz Muentefering para descrever empresas financeiras dos EUA.

"Os países que são afetados por conflitos provenientes dos Estados Unidos terão que se aproximar. Não podemos nos tornar parte de uma guerra comercial americana com a China", avaliou.

Schroeder, de 74 anos, defende há muito tempo o estabelecimento de laços mais estreitos com a Rússia e com a China. Enquanto estava no cargo, ele trabalhou para promover um projeto de gasoduto que fornecia gás russo para a Europa e, depois de se aposentar, tornou-se executivo sênior da Nord Stream AG, a empresa que gerencia o gasoduto agora.

Grenell foi rápido em atacar Schroeder, bem como atacar a Agência Reuters por espalhar o que ele supôs ser "a mensagem de Putin".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas