Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Ex-deputado ucraniano aconselha Kiev a realizar guerra-relâmpago até Moscou

Kiev deve realizar uma blitzkrieg, ou seja, uma guerra-relâmpago, cujo alvo final é conquistar Moscou, declarou ao canal ZIK o ex-deputado ucraniano Taras Chernovol.


Sputnik

O ex-parlamentar expressou a sua ideia original comentando as eleições nas repúblicas autoproclamadas de Donbass e a possível resposta de Kiev.


Resultado de imagem para Taras Chernovol
Taras Chernovol | Reprodução

"Nós não podemos ocupar esses territórios [Donbass] por uma razão, porque é necessário acabar a blitzkrieg não em Donetsk, mas na Praça Vermelha em Moscou", anunciou Taras Chernovol ao canal ZIK.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o deputado da Crimeia Stepan Kiskin sublinhou que a opinião de Chernovol é apoiada por outros políticos ucranianos. Assim, Yulia Timoshenko, a líder do partido Batkivschina (Pátria), apelou a bombardear Donbass com armas nucleares.

"Não há pessoas normais nas autoridades [da Ucrânia], eles todos enlouqueceram, a julgar por estas afirmações. A ideologia de Bandera devora a Ucrânia, como se fosse um câncer", comentou Kiskin, acrescentando que isso levará ao desmembramento do país ou uma revolta.

"É um verdadeiro fascismo que não pode viver sem provocações, sem guerra, violência", concluiu o político.

Anteriormente o deputado ucraniano Igor Mosiichuk disse que a Rússia poderá enfrentar a ocupação pela Ucrânia. Segundo a sua opinião, no Dia da Unidade em 4 de novembro a Rússia celebra a libertação não das forças de ocupação polonesas, mas dos "cossacos ucranianos".

As eleições dos dirigentes e deputados nas autoproclamadas repúblicas de Donetsk e de Lugansk decorreram em 11 de novembro. Kiev anunciou que não as reconhecia.

De acordo com o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, as eleições em Donbass não contradizem os Acordos de Minsk.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas