Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Kremlin sobre situação no estreito de Kerch: Rússia agiu conforme direito internacional

Ao comentar a situação que recentemente aconteceu no estreito de Kerch, quando navios ucranianos violaram a fronteira russa, o Kremlin afirmou que todas as ações da Guarda Costeira da Rússia foram realizadas em conformidade com o direito internacional e não podem ser consideradas duras.


Sputnik

"Sabe-se que a parte russa agiu em estreita conformidade com a legislação, tanto com o direito internacional, como com a legislação interna. Trata-se de uma invasão de navios militares estrangeiros em águas territoriais da Federação da Rússia", declarou o porta-voz presidencial russo, Dmitry Peskov.


Vista do estreito de Kerch desde um avião
Estreito de Kerch © Sputnik / Vitaliy Belousov

De acordo com o político russo, "o problema é que essas embarcações militares estrangeiras entraram nas águas territoriais da Rússia sem responder a quaisquer exigências de nossos agentes da guarda fronteiriça e sem reagir à proposta oferecida de usar os serviços de guias náuticos [russos] etc. Portanto, todas as ações [russas] foram tomadas em conformidade direita com a legislação".

Em particular, o porta-voz do presidente russo destacou que os agentes da guarda fronteiriça russos agiram de acordo com o plano de ação, previsto em casos quando é necessário proteger a fronteira nacional. Assim, em suas palavras, todas as medidas tomadas por eles não devem ser consideras duras, mas "ações, necessárias para pôr fim [à violação] da fronteira nacional da Federação da Rússia".

Além do mais, Peskov afirmou que os agentes de segurança têm cenário certo previsto para casos semelhantes.

Ao mesmo tempo, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, caracterizou a situação como "provocação" e afirmou que foi cometida por ordem das autoridades da Ucrânia.

De acordo com o ministro russo, não há dúvida nenhuma de que os navios ucranianos invadiram território russo por "vontade" ou até mesmo por "ordem direita das autoridades da Ucrânia".

Na opinião do chanceler russo, muito provavelmente as autoridades da Ucrânia já sabiam com antecedência quais "vantagens queriam tirar dessa situação, contando principalmente com os EUA e a Europa que ficarão do lado do provocador".

Na noite do domingo (25), o Serviço Federal de Segurança russo comunicou que três navios ucranianos, Berdyansk, Yany Kapu e Nikopol, que tinham entrado na área depois de um incidente com um rebocador ocorrido antes, acabaram detidos por ignorar as advertências russas. Durante a detenção, foram usadas armas, o que resultou em ferimentos graves de três militares ucranianos. Estes, por sua vez, logo receberam assistência médica e não correm risco de vida.

A Rússia iniciou um processo penal por violação da fronteira marítima, enquanto o estreito de Kerch foi fechado temporariamente para navios civis como medida de segurança.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas