Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Lei Marcial na Ucrânia não afetará Donbass, diz Poroshenko

O presidente ucraniano Pyotr Poroshenko disse no domingo (25) que a Lei Marcial no país não afetará a situação na região de Donbass e não aponta para uma ofensiva por parte de Kiev.


Sputnik

Mais cedo no domingo (25), durante uma reunião do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia, Poroshenko apoiou a proposta de imposição de uma Lei Marcial. Logo após, o Conselho aprovou a Lei Marcial no país por 60 dias, porém, a decisão ainda precisa ser ratificada pelo parlamento ucraniano.


Pyotr Poroshenko, presidente da Ucrânia (foto de arquivo)
Presidente ucraniano Pyotr Poroshenko © Foto : Serviço de imprensa do presidente da Ucrânia

"A introdução da Lei Marcial não significa de forma alguma que a Ucrânia conduzirá quaisquer ações ofensivas. A Ucrânia conduzirá ações exclusivamente para defender seu território, proteger e garantir a segurança de seus cidadãos. Isso também não significa uma mudança na posição nas linhas de contato em certas áreas das regiões de Donetsk e Lugansk e outras áreas", disse o presidente ucraniano em um discurso transmitido pelos canais locais.

Poroshenko também afirmou que a introdução da Lei Marcial não implica na restrição de direitos e liberdades dos cidadãos.

De acordo com o presidente, a possível introdução da Lei Marcial no país também não significa que Kiev rejeita os acordos de Minsk, acrescentando que o país tem intenção de cumprir todas as suas obrigações internacionais.

O conflito em Donbass explodiu em 2014, quando autoridades ucranianas lançaram uma operação militar contra as autoproclamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, que se recusaram a reconhecer o novo governo em Kiev, considerado golpista pelas duas repúblicas.

Em fevereiro de 2015 as partes assinaram acordos de paz para acabar com as hostilidades na região, mas a situação continuou tensa e com acusações mútuas de violações do acordo de cessar-fogo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas