Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Macron elogia herói na Primeira Guerra que se aliou aos nazistas na Segunda e é criticado

Políticos opositores e líderes judeus condenaram declarações do presidente francês.


France Presse

O presidente francês, Emmanuel Macron, enfrentou nesta quarta-feira (7) uma onda de críticas após ter qualificado o colaboracionista nazista Philippe Pétain, que comandou o regime autoritário francês de Vichy, como um "grande soldado" durante a Primeira Guerra Mundial.

Resultado de imagem para Declaração polêmica do presidente da França provoca onda de críticas
Declaração polêmica do presidente da França provoca onda de críticas

O porta-voz do Exército, Patrik Steiger, anunciou que no sábado será celebrada uma cerimônia em homenagem aos oito marechais que comandaram as forças francesas durante a Primeira Guerra Mundial, incluindo Pétain.

"É legítimo que façamos uma homenagem aos marechais que levaram o Exército à vitória", disse Macron na cidade de Charleville-Mézières, no âmbito de uma viagem pelo norte e leste da França pelo centenário do final do primeiro conflito mundial.

"Durante a Primeira Guerra Mundial foi um grande soldado, é um fato", declarou o presidente francês, embora tenha acrescentado que Pétain tomou "decisões desastrosas" durante a Segunda Guerra Mundial, ao colaborar com o regime nazista.

Seus comentários provocaram duras críticas por parte de políticos opositores e de líderes judeus, ao abrir um doloroso capítulo da história da França que continua dividindo o país há décadas.

Francis Kalifat, do Conselho representativo das instituições judaicas da França (Crif), disse que estava "chocado" com os comentários de Macron e lembrou que Pétain foi julgado por "alta traição".

"Pétain é um traidor e um antissemita", tuitou Jean-Luc Mélenchon, do partido de extrema esquerda França Insubmissa, fazendo eco de várias mensagens furiosas.

Condenado a prisão perpétua

Durante muito tempo, Philippe Pétain foi considerado um excelente estrategista, sobretudo por ter detido o avanço alemão em Verdun em 1916.

Mas durante a Segunda Guerra Mundial comandou o regime de Vichy, que colaborou ativamente com os ocupantes nazistas. Foi condenado à morte por traição, mas sua pena foi comutada à prisão perpétua.

"Não perdoo" os atos de Pétain, mas "não apago nada" da história da França, declarou Macron mais tarde, tentando acabar com a polêmica.

'Falsa polêmica'

O presidente não irá à cerimônia de sábado no Museu dos Inválidos, em Paris, mas enviará seu assessor militar para que o represente.

Nesta quarta-feira, um porta-voz do governo tentou minimizar o que ele chamou de "falsa polêmica", dizendo que inclusive Charles de Gaulle acreditava que a glória de Pétain conquistada em Verdun "não poderia ser questionada".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas