Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Macron sobre relações com EUA: 'Ser aliado não significa ser vassalo'

Os EUA e a França são aliados históricos, mas ser aliado não significa ser vassalo, declarou o presidente francês Emmanuel Macron.


Sputnik

"Os EUA são nosso aliado histórico e eles permanecem como tal. É um aliado com o qual nós assumimos todos os riscos, com o qual realizamos as operações mais complicadas. Mas ser aliado não significa ser vassalo", disse Macron em entrevista ao canal TF1, comentando a ideia de criar um exército europeu.


O presidente francês Emmanuel Macron está na escadaria do Palácio do Eliseu, em Paris, França (foto de arquivo).
Emmanuel Macron © REUTERS / Christian Hartmann/File Photo

"Os EUA são nosso aliado na OTAN. Mas será que eu, como presidente da república, posso dizer aos nossos cidadãos: eu quero entregar toda a nossa segurança nas mãos dos EUA? Não, porque eu creio na nossa soberania e na soberania da Europa. Isso significa que a minha responsabilidade consiste em defender vocês, para que o nosso exército defenda nossos cidadãos", comentou ele.

Segundo Macron, é necessário ser independente, inclusive na esfera da segurança cibernética, na luta contra ataques cibernéticos em todas as áreas militares — na terra, no mar, no ar e no espaço. Para isso, a França deve ser autônoma, inclusive dos EUA. Em algumas esferas a França é demasiado dependente, o que não é bom, ressaltou o presidente francês.

Anteriormente, Macron disse em entrevista que a Europa deveria criar um "verdadeiro exército europeu" para proteger a região. O mandatário francês afirmou que a medida pode ser útil para proteger a Europa "da China, Rússia e até dos Estados Unidos da América", já que Trump decidiu sair do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF).

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas