Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Massacre de civis na Nigéria atribuído a novo grupo terrorista

O massacre de 16 camponeses na cidade norte oriental de Monguno foi realizada pelo grupo Estado Islâmico na África Ocidental (EIAO), asseguraram hoje testemunhas e membros da milícia pró-governamental.


Prensa Latina

Abuja - Os informantes asseguraram que há dúzias de pessoas desaparecidas desde o ataque, ocorrido na segunda-feira, poucas horas após o Comando do Exército designar nesse mesmo dia um novo comandante das tropas que trata de retirar o Boko Haram de seu quartel general no estado de Borno (nordeste).


A milícia informou a recuperação de 15 agricultores nas aldeias de Kazaa e Daraa e outro na de Gremari.

O grupo armado, de recente formação, reivindica incursões em zonas civis para abastecer-se após atacar bases militares, duas delas nas últimas semanas, a cujos defensores derrotou, obrigou-os a abandonarem-na e ocupou durante várias horas depois de se fazer com armas e equipamentos.

A entidade, também leal ao Estado Islâmico é uma dissidência do Boko Haram em cujo interior existem disputas pela sucessão de seu comandante, Abubakar Shekau, alias Darul Tawhid, cuja saúde é precária, segundo relatórios da Inteligência nigeriana carenciadas de confirmação independente.

Os ataques do inédito grupo terrorista são uma nova espinho na garganta do presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, que aspira a renovar seu mandato nas eleições gerais de fevereiro próximo e baseia suas promessas eleitorais na erradicação dos grupos terroristas que operam em seu país, segundo produtor africano de petróleo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas