Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Não me chamem: Áustria descarta integrar exército europeu de Macron e Merkel

Se a Alemanha e a França desejarem desenvolver um exército europeu, a Áustria não quer participar. O gabinete do ministro da Defesa disse que recusaria, pois entraria em conflito com a constituição e neutralidade de Viena.


Sputnik

O gabinete do ministro da Defesa, Mario Kunasek, disse ao jornal Kurier que, embora a Áustria não tenha detalhes sobre o exército proposto pelo presidente francês Emmanuel Macron e pela chanceler alemã Angela Merkel, ainda se afastaria da ideia porque é "contrário à posição constitucional austríaca", já que a Áustria é neutra.


Soldados austríacos perto da fronteira com a Eslovênia em Spiefeld, Áustria
Militares austríacos na fronteira com a Eslovênia © AP Photo / Ronald Zak

A ideia de um exército europeu unificado foi proposta por Macron no início deste mês, com o presidente francês insistindo que é necessário para proteger o continente de países como China, Rússia e "até mesmo os Estados Unidos da América".

Merkel foi rápida em apoiar a proposta, dizendo que tal exército mostraria ao mundo que "nunca mais haverá guerra entre nações europeias".

Mas o presidente dos EUA, Donald Trump, não tem tanta certeza disso. Ele atacou a ideia depois que Macron mencionou pela primeira vez, lembrando-o de que o inimigo da França nas duas Guerras Mundiais não eram os EUA, a China ou a Rússia — era a Alemanha.

"Eles estavam começando a aprender alemão em Paris antes de os EUA aparecerem", escreveu Trump no Twitter.

Apesar dos sentimentos da França, da Alemanha, da Áustria ou de quaisquer outros países membros da União Europeia (UE), um exército europeu não vai realmente acontecer, disse o especialista em assuntos internacionais John Laughland à RT nesta semana.

"A ideia do exército europeu é uma ficção completa; nunca houve um exército europeu e não pode haver um exército europeu", avaliou, observando que a UE não pode ser legalmente independente da OTAN a menos que mude seus tratados.

No entanto, a Comissão Europeia (CE) parece pensar que é perfeitamente possível. Um porta-voz disse que a Comissão está "encantada" com o apoio de Macron e Merkel à ideia. Isso talvez não seja uma surpresa, já que o próprio Jean-Claude Juncker, presidente da CE, colocou seu apoio a um exército europeu há 4 anos.

"Muitas vezes explicamos como vemos essas coisas. Esta é a Comissão que quer que a Europa tenha uma identidade de defesa significativa", comentou o porta-voz.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas