Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Navios ucranianos violam águas russas; navio russo colide com rebocador ucraniano

Três navios militares da Ucrânia atravessaram a fronteira nacional da Rússia, entraram nas águas territoriais russas, e estão se movendo do mar Negro em direção ao estreito de Kerch, afirmou neste domingo (25), a assessoria do Serviço Federal de Segurança russo.


Sputnik

"Hoje de manhã, aproximadamente às 7h00 do horário local (às 2h00 do mesmo dia em Brasília) três navios da Marinha da Ucrânia, violando os artigos 19 a 21 da Convenção da Organização das Nações Unidas sobre as regras de navegação, que determinam o direito do Estado costeiro de garantir a segurança no espaço naval, atravessaram a fronteira nacional da Federação da Rússia, entraram ilegitimamente nas águas temporariamente fechadas do mar territorial da Federação da Rússia", comunicou o serviço.


Navios ucranianos atravessando ilegitimamente a fronteira com a Rússia
Navios ucranianos atravessando ilegitimamente a fronteira com a Rússia © FOTO : GUARDA DE FRONTEIRAS DO SERVIÇO FEDERAL DE SEGURANÇA NA CRIMEIA


O serviço acrescentou que os navios ucranianos estão se movendo do mar Negro em direção ao estreito de Kerch, na costa da Crimeia.

Além disso, o serviço russo apontou que os navios das Forças Armadas ucranianas estão manobrando de forma perigosa, ignorando as exigências das autoridades russas.

"Por hora, [a autorização de entrada] não tinha sido solicitada, os navios não haviam sido incluídos na ordem de passagem. Estão manobrando de forma perigosa, não obedecem às exigências legítimas das autoridades russas", comunicou.

Por sua vez, a Ucrânia comentou a passagem de seus navios. De acordo com a Marinha do país, duas lanchas de artilharia blindadas e um rebocador estão navegando do porto da cidade de Odessa em direção ao porto de Mariupol. 


Navios ucranianos atravessando ilegitimamente a fronteira com a Rússia
Navios ucranianos atravessando ilegitimamente a fronteira com a Rússia © FOTO : GUARDA DE FRONTEIRAS DO SERVIÇO FEDERAL DE SEGURANÇA NA CRIMEIA

"Os navios da guarda de fronteiras russos […] efetuaram ações abertamente agressivas contra os navios da Marinha da Ucrânia. O navio da guarda de fronteiras Don chocou com nosso rebocador. Em resultado, o motor principal do navio ficou danificado, bem como o casco e a proteção do convés, o inflável de resgate se perdeu", comunicou a assessoria da Marinha ucraniana em sua página no Facebook.

De acordo com a assessoria ucraniana, Kiev tinha avisado sobre a passagem dos navios com antecedência, em conformidade com as regras internacionais.

Depois do incidente, a Rússia fechou temporariamente o estreito de Kerch para a passagem de embarcações civis.

Nesta quarta-feira (21), o Ministério das Relações Exteriores russo advertiu a Ucrânia quanto às tentativas de revisar o estatuto do mar de Azov como mar interno dos dois países.

O ministério frisou que a responsabilidade por um possível agravamento da situação relativamente a esta questão recai sobre o lado ucraniano, bem como sobre os países que o apoiam.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas