Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Pentágono acha que Rússia será incapaz de manter seu potencial militar

O chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, general Joseph Dunford, afirmou que é improvável que a Rússia represente a mesma ameaça que a China representará aos EUA em 2025-2035.


Sputnik

Segundo o general, os anos 2025-2035 são a "referência pela qual avaliamos nossa capacidade de desempenhar nossas funções" no futuro.


Resultado de imagem para Joseph Dunford
General Joseph Dunford | Marine Corps

"Seremos capazes de alcançar maiores capacidades que a China e, possivelmente, a Rússia, que é improvável que consiga manter o mesmo nível que tem agora. Os indicadores demográficos e econômicos estão caindo lá. E eu não acho que em 2025-2035 a Rússia represente a mesma ameaça significativa que a China."

O chefe do Estado-Maior americano adiciona que a Rússia continuará a ter o mesmo potencial militar e que a China tem mais chances de aumentar suas capacidades.

"Na minha opinião, o que eles fizeram em termos de aumentar seu potencial militar nos últimos anos continuará […] Acho que nos próximos 20-30 anos é a China que devemos ver como uma ameaça."

Em setembro, o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, classificou as armas nucleares da Rússia como a principal ameaça externa a seu país.

Recentemente, o Pentágono promulgou a doutrina nuclear dos EUA, na qual é prestada grande atenção ao desenvolvimento das forças nucleares russas.

No documento é afirmado que os EUA continuarão investindo no desenvolvimento de ogivas nucleares e modernizando elementos de sua "tríade nuclear" — mísseis intercontinentais, submarinos estratégicos e bombardeiros.

Apesar de Moscou negar veemente qualquer tipo de ataque a países da OTAN, as declarações sem fundamentos sobre uma suposta "ameaça russa" continuam. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que a organização está ciente de que da Rússia não tem planos de realizar qualquer ataque, e que a OTAN simplesmente aproveita a ocasião para instalar mais equipamentos e batalhões perto das fronteiras russas.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas