Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Por que há americanos tão preocupados com acesso da Rússia às águas de Gibraltar?

Para analistas de um instituto de pesquisa americano, o estreito de Gibraltar pode ser o novo foco de tensões entre EUA e Rússia.


Sputnik

A Heritage é uma fundação conservadora com sede em Washington, e tem como missão formular e promover políticas públicas conservadoras do livre mercado, governo limitado, liberdade individual, valores tradicionais e uma forte defesa nacional. Além disso, ela possui forte influência no Partido Republicano.


Porto de Gibraltar
Porto de Gibraltar © AFP 2018 / MARCOS MORENO

Para o especialista em defesa e segurança, Luke Coffey, o acesso da Rússia ao porto de Ceuta é algo "preocupante", principalmente pela proximidade do local a Gibraltar, que é utilizado por submarinos americanos para manutenção e reabastecimento.

A presença de submarinos russos nas proximidades poderia prejudicar a inteligência e segurança dos EUA e seus aliados. Coffey não aceita a postura espanhola, ressaltando que "a política da Espanha de permitir que a Marinha russa utilize o porto de Ceuta é cada vez mais indefensável, levando em consideração a relutância espanhola, que permite que embarcações da OTAN realizem viagens diretas entre Gibraltar e portos espanhóis".

Entretanto, o que incomoda Coffey é o fato de a Espanha restringir o acesso dos EUA e de outros membros da OTAN de percorrerem por Gibraltar. Dentre as restrições, ele cita a grande dificuldade que as embarcações americanas enfrentam ao tentarem atracar em portos espanhóis.

O especialista ainda cita que os EUA enfrentam a mesma dificuldade com aviões, já que devem pedir autorização frequentemente para percorrerem por Gibraltar, ressaltando que os aviões militares devem desviar a rota por países vizinhos, evitando o estreito de Gibraltar.

Diante da situação, o especialista acredita que os EUA devam enviar uma mensagem clara à Espanha, informando que a entrada de embarcações militares russas no estrito de Gibraltar é inaceitável.

Coffey afirma que "não é o momento para que um membro da OTAN acolha a Marinha russa enquanto a maioria dos Estados-membros elevam as sanções econômicas contra a Rússia, expulsam seus diplomatas e reforçam a segurança na Europa contra a ameaça russa".

Ele acredita que os EUA deveriam aproveitar todas as oportunidades para convencer os espanhóis a evitarem a Rússia na região, mesmo que seja através de uma forte pressão dos EUA e de aliados, pois acredita que a Rússia seja uma "ameaça" e que a atitude da Espanha seja inaceitável.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas