Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Putin explica por que ainda há poucas chances de resolução pacífica em Donbass

A política da administração atual ucraniana não pretende resolução pacífica do conflito em Donbass, declarou o presidente russo, Vladimir Putin, durante cúpula da ASEAN, em Singapura.


Sputnik

O presidente russo acredita que o atual governo ucraniano seja incapaz de fazer algo para regularizar a situação no Leste da Ucrânia.


Presidente russo Vladimir Putin na coletiva de imprensa em Singapura
Vladimir Putin © Sputnik / Grigory Sysoev

"Enquanto essas pessoas governarem Kiev, fica difícil contar com solução pacífica da questão nestes territórios. Mas nós consideramos que não há outro caminho, de qualquer modo, a não ser negociar", declarou o líder russo na coletiva de imprensa em Singapura.

"Não há outro caminho senão o pacífico. É necessário cumprir os Acordos de Minsk", sublinhou o presidente russo. De acordo com Putin, a administração atual da Ucrânia "até hoje não mostrou interesse" em cumprir os Acordos de Minsk.

"Não está acontecendo nada. A própria lei sobre o estatuto especial de Donbass, adotada pelo parlamento da Ucrânia, ainda não entrou em vigor. É um elemento-chave para resolução", ressaltou Putin.

Mesmo a Rússia cumprindo os acordos, de acordo com Putin, todos esperam que a Rússia cumpra os Acordos de Minsk, mas "ninguém repara que as autoridades ucranianas não estão cumprindo nada".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas