Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Reino Unido vai dobrar frota de caças F-35 tendo encomendado mais 17 aviões

O Reino Unido vai dobrar sua frota de caças americanos F-35 tendo encomendando mais 17 dessas aeronaves, comunicou o secretário de Defesa britânico, Gavin Williamson.


Sputnik

"Estou feliz por confirmar que estamos dobrando o número da nossa força de F-35 para uma frota formidável de 35 caças furtivos. Esta é mais uma grande encomenda no maior programa de defesa na história", disse o ministro.


Caça F-35
F-35 Lightning II | CC0 / Pixabay

Os 17 novos aparelhos deverão ser entregues entre 2020 e 2022. Os aviões se juntarão aos 16 caças F-35 britânicos atualmente posicionados na base da Força Aérea Real de Marham e nos EUA. Antes, Londres já acordou a compra de dois caças F-35.

Williamson sublinhou que as Forças Armadas e a indústria desempenham um papel-chave no programa do F-35 e que o país está "agora construindo essa capacidade de poder mudar o jogo e que em breve estará pronta para ação na linha de frente".

As autoridades informaram que durante a vida do programa o Reino Unido comprará 138 aviões, feitos pela companhia americana Lockheed Martin, e no qual a empresa britânica BAE Systems também é parte contratada.

O Reino Unido não é o único país que decidiu aumentar sua frota de F-35. No mês passado, o primeiro-ministro belga Charles Michel anunciou oficialmente que o país optou pelos caças estadunidenses para reequipar sua Força Aérea e planeja comprar 34 aviões F-35.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas