Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Rússia adverte EUA e Ucrânia pelo 'flerte com ideais nazistas'

O surgimento de glorificação do nazismo em uma série de países pode ocasionar perigosas consequências em forma de conflitos internos, declarou Andrei Klishas, chefe do Comitê Legislativo do Conselho da Federação da Rússia.


Sputnik

Em 15 de novembro, o Terceiro Comitê da Assembleia Geral da ONU adotou o projeto de resolução, sugerido por uma série de países, incluindo a Rússia, contra a glorificação do nazismo. Na votação, 130 países votaram a favor, 51 se abstiveram e apenas dois votaram contra — os Estados Unidos e a Ucrânia.


Participantes de marcha nacionalista dedicada ao 76º aniversário do Exército Insurgente da Ucrânia (organização extremista proibida na Rússia) em Kiev
© Sputnik / Stringer

"Não é segredo que o surgimento da glorificação do nazismo, infelizmente, tem lugar em uma série de governos atualmente, podendo ocasionar perigosas consequências em forma de conflitos internos. A história mundial sabe outros exemplos de consequências extremamente negativas da manifestação dos ideais nazistas, que levaram muitas vezes ao genocídio, sendo um dos casos mais sangrentos o de Ruanda em 1994", afirmou Klishas à Sputnik.

Segundo ele, a recusa dos Estados Unidos e da Ucrânia de apoio à resolução da ONU contra a glorificação do nazismo demonstra que eles não desejam aderir aos "princípios e ideais fundamentais da moderna ordem mundial".

"O fato de alguns Estados terem esquecido lições históricas pode ter consequências duradouras, especialmente em seus assuntos da política interna. Flerte com ideais nazistas nunca alcança bondade", disse Klishas.

O senador afirmou que no sistema de relações internacionais, não há consenso completo sobre o problema da glorificação do nazismo, e alguns países tentam reabilitar ideias que causaram muitos conflitos sangrentos no passado para usá-las nos interesses políticos.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas