Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Israel concentra mais forças na fronteira com Faixa de Gaza e está pronto a agir

As Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) concentraram mais forças na fronteira com a Faixa de Gaza e estão prontas para usá-las se for necessário, comunica a assessoria da entidade militar.
Sputnik

A decisão foi tomada no decurso da reunião no Estado-Maior e é uma resposta aos combates de ontem (11), que causaram morte de um militar israelense e sete palestinos.


"As IDF aumentaram suas forças no Distrito Sul e estão dispostas, se for preciso, a agir com mais vigor", destaca o comunicado da entidade.

No decurso da operação militar que teve lugar no enclave palestino neste domingo (11) um tenente coronel de uma unidade especial israelense foi morto. Ao mesmo tempo, a parte palestina perdeu sete homens, inclusive um comandante militar. Após os confrontos, os palestinos lançaram 17 mísseis contra o sul de Israel, dois deles foram interceptados pelos sistemas de defesa antiaérea Iron Dome (Cúpula de Ferro).

Foi igualmente informado que, tendo em conta a situação, o prim…

Rússia: impondo novas sanções contra Irã, EUA destroem tratado de não proliferação nuclear

O chanceler russo, Sergei Lavrov, condenou as novas sanções impostas pelos EUA ao Irã e anunciou que Moscou planeja manter a cooperação econômica com Teerã apesar das ações destrutivas de Washington.


Sputnik

No sábado (3), o ministro russo declarou que, ao decretar sanções contra o Irã, os Estados Unidos ameaçam mais uma vez o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP).


Lançamento de míssil realizado pelo Irã, foto de arquivo
Lançamento de míssil iraniano © AFP 2018 / AMIN KHOROSHAHI / ISNA

"A nova onda de sanções contra o Irã, anunciada por Washington, tem com objetivo minar os esforços contínuos dos participantes do Plano de Ação Conjunto Global sobre o programa nuclear iraniano destinados a preservar esse acordo", sublinhou.

Ao mesmo tempo, Lavrov sublinhou que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) reconhece que o Irã tem cumprido suas obrigações quanto a esse acordo, o que, por sua vez, prova o caráter pacífico do programa nuclear do país.

"Faremos tudo o necessário nos interesses de preservar e alargar a cooperação econômico-comercial e financeira com o Irã apesar das sanções dos Estados Unidos. Condenamos fortemente as novas ações destrutivas dos EUA", diz o comunicado publicado no site oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

De acordo com a Chancelaria russa, as ações dos EUA causam profunda desilusão e a crescente preocupação da Rússia e não poderão melhorar as relações tensas com o Irã.

"Se Washington está, como anuncia, de verdade interessada em negociar com Teerã, [nesse caso] a política de pressão por meio de sanções, destinada a diminuir o potencial econômico e militar do Irã, e também a destabilizar a situação política interna, deve ser reconsiderada imediatamente", declarou.

Ademais, o ministro indicou que, "segundo mostra a experiência de muitos anos, não é possível obrigar o Irã a fazer concessões usando meios de pressão".

Em 14 de julho de 2015, o Irã e seis mediadores internacionais (Rússia, EUA, Grã-Bretanha, China, França e Alemanha), chegaram a um acordo histórico sobre a resolução do prolongado problema nuclear do Irã. Em contrapartida, foi adotado um plano de ações para revogar as sanções econômicas e financeiras aplicadas anteriormente ao Irã por parte do Conselho de Segurança da ONU, EUA e União Europeia.

Os EUA pretendem introduzir alterações neste acordo. Segundo um representante do Departamento de Estado, os EUA se retirarão do acordo se os parceiros europeus não "corrigirem as insuficiências" do documento. Ele também observou que "se, em qualquer momento, o presidente considerar que não se consegue chegar a acordo, os EUA o abandonarão imediatamente".

Postar um comentário

Postagens mais visitadas