Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Serviços especiais ocidentais estariam dificultando investimentos estrangeiros na Crimeia

Investidores dos EUA e da UE continuam implementando seus projetos de negócios na Crimeia, mas seus nomes não podem ser divulgados por causa do regime de sanções, disse à Sputnik o vice-primeiro-ministro do Desenvolvimento Econômico da Crimeia, Andrei Kulik.


Sputnik

"Estes são representantes de países europeus, Itália, Alemanha e Europa Oriental. Há também representantes dos Estados Unidos. Nem todos gostariam que seus nomes fossem anunciados, por causa do regime de sanções", disse Kulik a repórteres.


Crimeia
Crimeia © Sputnik / Artem Kreminsky

Agências de inteligência de países ocidentais impedem a chegada de investidores estrangeiros na Crimeia, uma dessas tentativas foi realizada pela República Tcheca.

"Os serviços especiais tchecos dirigiram-se a um de nossos colegas com perguntas sobre o que ele estava fazendo na Crimeia e quais eram seus interesses comerciais. Isso é o que eu realmente sei. Quando serviços especiais apelam, isso pode ser considerado como pressão ou como interesse", acrescentou ele a repórteres.

Existem restrições associadas à ação dos serviços especiais de vários países que impedem ou, ao menos, limitam as atividades e a possibilidade de livre movimentação dos participantes no processo de negociações.

Segundo ele, nos últimos cinco anos, os investidores estrangeiros se adaptaram às restrições de sanções impostas à Crimeia.

"Todo mundo entende como e o que precisa ser feito para minimizar o impacto dessas sanções", sublinhou o vice-primeiro-ministro.

Após o golpe ocorrido na Ucrânia e a reunificação da Crimeia à Rússia (através de referendo e de forma democrática), as relações entre o país eslavo e o Ocidente pioraram. Os EUA, junto com outros países, acusaram Moscou de intervenção nos assuntos internos ucranianos, o que foi repetidamente negado pela Rússia.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas