Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (VÍDEO)

Devido à enorme riqueza natural, a porção de mar sob jurisdição brasileira é também conhecida como Amazônia Azul. A área é um dos mais importantes patrimônios naturais brasileiros e é uma preocupação para o setor de Defesa. Para comentar o assunto, a Sputnik Brasil ouviu Ricardo Cabral, pesquisador da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil.
Sputnik

O pesquisador falou sobre a importância comercial e estratégica, o potencial energético, científico e as obrigações internacionais do Brasil com as áreas da Amazônia Azule seu entorno. Ele também descreveu o atual estado da esquadra da Marinha brasileira, que carece de investimentos e pleiteia junto ao novo governo federal uma fatia maior do orçamento público, limitado pela Emenda Constitucional nº 95.


Foi a própria Marinha brasileira que cunhou o termo "Amazônia Azul", em referência ao tamanho da biodiversidade e dos bens naturais encontradas em sua área. No entanto, a área marítima é ainda maior do que porção brasileira da flo…

Submarinos turcos Type 214TN têm comprimento ampliado

O grupo MONCh divulgou novas informações obtidas na exposição SAHA realizada em Istambul em setembro, que indicam que a extensão total dos submarinos de propulsão independente da atmosfera (AIP) Type 214TN da classe “REIS”, em construção para as Forças Navais da Turquia (TFN), foi aumentada em 0,75 metros em relação à última informação conhecida. O comprimento agora aparentemente é de 68,35m, com as outras dimensões-chave sendo a altura de 13,1m excluindo mastros de periscópio, boca de 6,3m e calado de 6,8m.


Poder Naval

Dos seis submarinos a serem construídos, três já estão em mãos no Estaleiro Naval Golcuk: o primeiro, o Piri Reis, teve quilha batida em outubro de 2015 e deve ser lançado este ano; o terceiro submarino, Murat Reis, teve construção iniciada em fevereiro. Espera-se que as embarcações sejam comissionadas para a TNF em 2021-2026, e serão os primeiros submarinos AIP em serviço turco, substituindo quatro submarinos diesel-elétricos classe “AY” (Type 209/1200).

A classe REIS é uma modificação do submarino de projeto alemão Type 214 como o da foto

A classe “REIS” contará com o sistema de gerenciamento de combate ISUS-90/72, torpedos pesados ​​MK48 Mod 6AT e DM2A4, e mísseis HARPOON Block I/II e IDAS. Os sistemas de mísseis AKYA desenvolvidos localmente e os sistemas de mísseis ATMACA Block I/II provavelmente serão integrados nos próximos anos.

Originalmente, a classe deveria se chamar CERBE, mas em 2014 foram feitas modificações significativas no projeto para atender aos requisitos da TNF e para resolver alguns problemas técnicos com o projeto da HDW. O ex-comandante da TNF, o almirante Bülent Bostanoglu, afirmou que os engenheiros turcos encontraram cinco grandes falhas de projeto e desenvolveram soluções para eles.

O submarino resultante, mais longo e mais pesado que o CERBE, foi renomeado para classe “REIS”. A última revisão no comprimento total faz com que os submarinos atuais sejam 2,05 m mais longos do que o projeto original do CERBE. Segundo o grupo MONCh, o deslocamento da superfície é de cerca de 1.850 toneladas e o deslocamento submerso deve ser de 2.040 a 2.050 toneladas.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas