Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Área militar do governo brasileiro demonstra desconforto com suspensão de investigação do caso Queiroz

Integrantes da área militar do governo demostraram desconforto com o pedido de suspensão da investigação para apurar movimentações financeiras de Fabricio Queiroz consideradas "atípicas" pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).
Por Gerson Camarotti | G1

A avaliação de auxiliares do presidente Jair Bolsonaro é que essa decisão tomada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), só faz prolongar o desgaste provocado pelo caso.

O ministro Luiz Fux atendeu pedido do deputado estadual e senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), de quem Queiroz foi assessor. O Coaf apontou movimentação de R$ 1,2 milhão em uma conta bancária de Queiroz durante um ano sem que houvesse esclarecimento.

Para esses auxiliares, foi uma surpresa a solicitação feita por Flávio Bolsonaro para suspender as investigações.

“Ainda não há uma explicação convincente. Enquanto isso não acontecer, o desgaste desse caso vai continuar. Já está demorando demais”, comentou ao blog um auxilia…

Teerã: 'são EUA, e não Irã, que estão isolados'

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohamad Yavad Zarif, indicou, falando sobre as sanções norte-americanas que entraram em vigor hoje, qual dos dois países irá ficar isolado nesta situação.


Sputnik

Ao comentar a última rodada de sanções que os EUA restabeleceram após a retirada do acordo nuclear com o Irã, Zarif também escreveu na sua conta no Twitter que a comunidade internacional não permitirá que "Trump e companhia" destruam a ordem mundial.


Chanceler do Irã Mohammad Javad Zarif
Ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohamad Yavad Zarif © AP Photo / Petr David Josek

"Hoje [5 de novembro] os EUA desafiaram a Corte Internacional de Justiça e o Conselho de Segurança da ONU ao reimpor as sanções contra o Irã que afetam as pessoas comuns. Mas o assédio dos EUA é contraproducente […] não porque o JCPOA [acordo nuclear] é importante, mas porque o mundo não pode permitir que Trump e companhia destruam a ordem mundial, são os Estados Unidos, e não o Irã, que estão isolados ", declarou.

Nesta segunda-feira (5), Washington reintroduziu as sanções contra o Irã que existiam antes da assinatura do Plano de Ação Conjunto Global.

Em maio, o presidente norte-americano Donald Trump anunciou que o país abandonaria o acordo nuclear iraniano e reintroduziria todas as sanções contra Teerã, bem como contra os países que têm negócios com Teerã. O primeiro pacote de restrições entrou em vigor em 7 de agosto.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas