Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Tusk condena "uso da força" da Rússia na região do mar de Azov

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, condenou nesta segunda-feira o "uso da força" por parte da Rússia na região do estreito de Kerch, que separa os mares Negro e de Azov, após conversar com o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko.


EFE

Bruxelas - "Condeno o uso da força da Rússia no mar de Azov. As autoridades russas devem devolver os marinheiros ucranianos, os navios e se abster de novas provocações", afirmou Tusk via Twitter.


Donald Tusk em foto de 25 de novembro. EFE/EPA/OLIVIER HOSLET
Donald Tusk em foto de 25 de novembro | EFE/EPA/OLIVIER HOSLET

No domingo, a Marinha ucraniana acusou a Rússia de disparar e ferir tripulantes de uma de suas embarcações, a lancha Berdiansk, que seguia rumo ao estreito de Kerch.

"Falei sobre a situação com o presidente Poroshenko e me reunirei com seus representantes durante o dia. A Europa se manterá unida em apoio à Ucrânia", acrescentou Tusk na rede social.

Por outro lado, a porta-voz da alta representante da União Europeia (UE), Federica Mogherini, afirmou que a diplomata "leva muito a sério" o aumento da tensão entre Rússia e Ucrânia e não descartou uma reunião extraordinária de embaixadores para abordar o assunto com urgência.

"Esses acontecimentos são inaceitáveis e exigimos que a Rússia libere imediatamente os navios e sua tripulação e garanta a assistência médica necessária", afirmou a porta-voz, Maja Kocijancic, na entrevista coletiva diária da Comissão Europeia (CE).

A porta-voz acrescentou que os países debaterão o assunto em nível de embaixadores "no máximo até amanhã" e não excluiu uma reunião extraordinária para abordar o assunto, nem "novas reações no futuro".

"Estamos levando o assunto muito a sério e é a nossa maior prioridade", completou.

O ataque de domingo, que aconteceu após a Rússia acusar uma embarcação ucraniana de violar suas águas territoriais, teria sido cometido por uma lancha do Serviço Federal de Segurança (FSB, antiga KGB).

A tensão no mar de Azov aumentou desde maio, quando a Rússia construiu a ponte da Crimeia que liga a península com o país, o que fez aumentar as inspeções dos navios ucranianos, algo que Kiev considera um bloqueio de seus portos na região.

A porta-voz lembrou que a UE não reconhece e não reconhecerá a anexação ilegal da península da Crimeia por parte da Rússia e que condena "esta agressão".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas