Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Tusk condena "uso da força" da Rússia na região do mar de Azov

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, condenou nesta segunda-feira o "uso da força" por parte da Rússia na região do estreito de Kerch, que separa os mares Negro e de Azov, após conversar com o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko.


EFE

Bruxelas - "Condeno o uso da força da Rússia no mar de Azov. As autoridades russas devem devolver os marinheiros ucranianos, os navios e se abster de novas provocações", afirmou Tusk via Twitter.


Donald Tusk em foto de 25 de novembro. EFE/EPA/OLIVIER HOSLET
Donald Tusk em foto de 25 de novembro | EFE/EPA/OLIVIER HOSLET

No domingo, a Marinha ucraniana acusou a Rússia de disparar e ferir tripulantes de uma de suas embarcações, a lancha Berdiansk, que seguia rumo ao estreito de Kerch.

"Falei sobre a situação com o presidente Poroshenko e me reunirei com seus representantes durante o dia. A Europa se manterá unida em apoio à Ucrânia", acrescentou Tusk na rede social.

Por outro lado, a porta-voz da alta representante da União Europeia (UE), Federica Mogherini, afirmou que a diplomata "leva muito a sério" o aumento da tensão entre Rússia e Ucrânia e não descartou uma reunião extraordinária de embaixadores para abordar o assunto com urgência.

"Esses acontecimentos são inaceitáveis e exigimos que a Rússia libere imediatamente os navios e sua tripulação e garanta a assistência médica necessária", afirmou a porta-voz, Maja Kocijancic, na entrevista coletiva diária da Comissão Europeia (CE).

A porta-voz acrescentou que os países debaterão o assunto em nível de embaixadores "no máximo até amanhã" e não excluiu uma reunião extraordinária para abordar o assunto, nem "novas reações no futuro".

"Estamos levando o assunto muito a sério e é a nossa maior prioridade", completou.

O ataque de domingo, que aconteceu após a Rússia acusar uma embarcação ucraniana de violar suas águas territoriais, teria sido cometido por uma lancha do Serviço Federal de Segurança (FSB, antiga KGB).

A tensão no mar de Azov aumentou desde maio, quando a Rússia construiu a ponte da Crimeia que liga a península com o país, o que fez aumentar as inspeções dos navios ucranianos, algo que Kiev considera um bloqueio de seus portos na região.

A porta-voz lembrou que a UE não reconhece e não reconhecerá a anexação ilegal da península da Crimeia por parte da Rússia e que condena "esta agressão".

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas