Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Ucrânia quer comprar armas diretamente dos EUA

O governo ucraniano está preparando mudanças legislativas para anular intermediários e realizar compras diretas de armamento dos norte-americanos, disse Valeriy Chaly, embaixador da Ucrânia nos Estados Unidos.


Sputnik

Chaly lembrou que na sexta-feira (16), em Washington, decorrerá uma reunião da comissão de parceria estratégica entre a Ucrânia e os EUA na qual serão discutidas questões de cooperação técnico-militar e as ameaças cibernéticas com participação de representantes de ambos os países.


As Forças Armadas da Ucrânia receberam radares norte-americanos de detecção antiartilharia, 14 de novembro de 2015
Militares ucranianos recebendo radares dos EUA © Sputnik / Mikhail Markiv

"Estamos trabalhando agora para garantir que as mudanças na legislação ucraniana permitam a compra direta de armas e equipamentos militares sem intermediários. Essas mudanças podem abrir novas oportunidades para nossa interação com os Estados Unidos", disse o embaixador ucraniano à agência de notícias Ukrinform.

Ao mesmo tempo, ele ressaltou que os EUA também estão interessados em vender armas à Ucrânia.

"Hoje a posição da Casa Branca e de outras estruturas dos EUA é a seguinte: quanto mais armas a Ucrânia comprar dos EUA, mais ajuda direta receberá. Em outras palavras, esses são processos relacionados, e acho conveniente para nós seguir precisamente esse caminho", frisou.

"Há tipos de armas que nós precisamos realmente, mas não as fabricamos, elas existem nos Estados Unidos. Estamos trabalhando nisso. Cada transação e acordo inclui um período preparatório, então acho que veremos o resultado até o início do próximo ano", adicionou Chaly.

Em 2018, a Ucrânia recebeu mais de US$ 40 milhões (R$ 151,3 milhões) em armas letais e outros equipamentos militares dos EUA, Lituânia, Reino Unido e Canadá.

A Rússia alertou reiteradamente sobre os planos para fornecimento de armas à Ucrânia, uma vez que essa medida acarretará uma escalada do conflito em Donbass. A maioria dos políticos europeus se posicionaram contra esses fornecimentos de armas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas