Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Vice-presidente estadunidense ameaça China com possível guerra fria

Uma guerra fria total com os EUA e os seus aliados é algo que espera a China se esta não mudar seu comportamento, assegurou o vice-presidente dos EUA, Mike Pence.


Sputnik

Em uma entrevista ao jornal Washington Post, o alto responsável sugeriu a Pequim "realizar mudanças de grande envergadura" na área política, económica e militar, sendo esta "a melhor, senão a última, chance" de a China evitar um cenário de guerra fria com os EUA.


Mike Pence, candidato para vice-presidência pelo Partido Republicano, no congresso republicano em Cleveland, 20 de julho,2016
Vice-presidente dos EUA Mike Pence © REUTERS / Jonathan Ernst

"Acho que isso vai depender da Argentina em grande parte", disse o vice-presidente, se referindo ao encontro planejado entre os líderes norte-americano, Donald Trump, e chinês, Xi Jinping, em Buenos Aires.

Ao responder à pergunta o que acontecerá se Pequim se recusar a agir da maneira proposta, Pence respondeu: "Então que seja assim". Caso Pequim não faça concessões concretas, os EUA estão dispostos a aumentar a pressão econômica, diplomática e política sobre o país, observou. Em sua opinião, a economia estadunidense é bastante forte para suportar tal escalada, enquanto a chinesa "é menos estável".

"Realmente acreditamos que, de qualquer modo, estamos em uma posição forte", disse Pence, acrescentando que os EUA podem "dobrar" as tarifas.

Ao mesmo tempo, na última semana o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou que os EUA não querem uma guerra fria com a China e tudo o que querem do país é uma atitude responsável nas suas ações.

A guerra comercial sino-americana começou após, em julho passado, ambos os países terem aumentado as tarifas alfandegárias. Primeiro, os EUA introduziram uma taxa de 25% sobre as importações de 818 produtos chineses. Em contramedida, a China introduziu tarifas idênticas contra os EUA.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas