Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Fuzileiros Navais do Brasil e dos EUA ratificam acordo de cooperação

Diálogo conversou com o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil (MB) Nélio de Almeida para conhecer detalhes dessa parceria
Por Marcos Ommati | Diálogo Américas | Poder Naval

Criar mais oportunidades de intercâmbio de conhecimento e treinamento combinado entre os Fuzileiros Navais do Brasil e dos Estados Unidos. Este é o objetivo principal de um plano de cinco anos ratificado em fevereiro de 2019 entre os representantes de ambas as forças, o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil Nélio de Almeida, comandante do Desenvolvimento Doutrinário do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) do Brasil e presidente nacional da Associação de Veteranos desta força, e o Contra-Almirante Michael F. Fahey III, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais Sul dos EUA (MARFORSOUTH, em inglês). O C Alte Nélio recebeu Diálogo em seu escritório na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, para dar detalhes do acordo e conversar sobre outros temas de interesse das marinhas do Brasil e de outros países da região e dos E…

A guerra no Afeganistão não é um ‘impasse’. Os EUA perderam

Com a única exceção do Vietnã, a guerra em curso no Afeganistão representa o maior fracasso da história militar dos EUA. Hoje, todos, exceto alguns poucos, entendem que o Vietnã foi um desastre de proporções épicas. Com o Afeganistão, é diferente: nos círculos políticos e militares, o desejo de evitar a verdade permanece forte.


Por Andrew J. Bacevich | Los Angeles Times | Forças Terrestres

Isso pode explicar, pelo menos em parte, por que o atual comandante-chefe ainda não visitou a zona de guerra. Para um presidente com aversão a aceitar a responsabilidade, viajar para o Afeganistão chamaria a atenção para uma situação que ele prefere ignorar. Afinal, Donald Trump fez campanha contra a guerra e prometeu, se eleito, terminá-la imediatamente. Uma vez no cargo, no entanto, ele cedeu aos assessores pedindo-lhe que não apenas continuasse a guerra, mas que também despachasse um contingente de reforços. Evitar o Afeganistão permite que Trump sustente a pretensão de que a guerra não é realmente sua.


Se apenas por padrão, cabe aos próprios militares explicar o que está acontecendo. Com a guerra no Afeganistão em seu 18º ano, o general Joseph Dunford, presidente do Joint Chiefs of Staff, caracterizou a guerra como um “impasse” no mês passado. Outros oficiais de alta patente usam regularmente o mesmo termo.

Vindo de profissionais experientes que presidem o que são ostensivamente as forças armadas mais poderosas do mundo, isso se qualifica como uma admissão notável, embora enganosa.

A verdade é que os Estados Unidos estão perdendo em seus esforços para trazer ordem e estabilidade ao Afeganistão. O número relativamente pequeno de baixas recentes dos EUA – 13 mortes em todo o ano de 2018 – não deve desviar a atenção dos fatos pertinentes. Ataques terroristas no Afeganistão ocorrem diariamente, com as forças de segurança afegãs sofrendo perdas a uma taxa que até mesmo o comandante do Comando Central dos EUA descreve como insustentável. O Talibã agora controla diretamente ou contesta mais de 60% dos distritos do Afeganistão. Os esforços de coalizão para promover a legitimidade política e criar uma economia funcional fracassaram. A produção afegã de ópio, uma das principais fontes de financiamento dos insurgentes, atingiu um recorde histórico.

O indicador mais significativo de uma guerra que deu errado é o seguinte: os EUA agora abriram discretamente as negociações com o inimigo. Lembre-se de que o objetivo militar imediato da Operação Liberdade Duradoura, quando lançada em 2001, era destruir o Talibã e, assim, impedir que o Afeganistão voltasse a ser um santuário terrorista. No entanto, agora os Estados Unidos tentam acabar com a guerra chegando a um acordo com o Talibã. Isso é uma admissão de fato do fracasso.

‘O INDICADOR MAIS SIGNIFICATIVO DE UMA GUERRA QUE DEU ERRADO É O SEGUINTE: OS EUA AGORA ABRIRAM DISCRETAMENTE AS NEGOCIAÇÕES COM O INIMIGO’

Por um lado, é claro, faz sentido que os Estados Unidos reduzam suas perdas no Afeganistão, e quanto mais cedo melhor. Os interesses substanciais dos EUA nunca foram diferentes do marginal. Em qualquer ranking lógico das prioridades estratégicas dos EUA, o Afeganistão não chega nem perto de justificar os trilhões de dólares que os Estados Unidos gastaram desde a primeira intervenção.

Por outro lado, alguns podem argumentar, os Estados Unidos têm a obrigação moral de terminar o que começou. Afinal, as administrações anteriores enfatizaram que o envolvimento dos EUA no Afeganistão incluía um componente moral. Os EUA, dizia-se, procuravam espalhar a liberdade e a democracia e promover a causa dos direitos das mulheres. Ajudado pelos Estados Unidos, o Afeganistão se tornaria um farol da modernidade no mundo islâmico.

Nada disso aconteceu, nem será. Assim, de acordo com os ditames da realpolitik, as autoridades em Washington estão agora seguindo um caminho não muito diferente daquele seguido por seus antecessores, meio século atrás, quando os Estados Unidos se viram presos em outra guerra invencível. Esse caminho culminou com os EUA abandonando seu aliado e deixando o povo sul-vietnamita para seu destino. Embora nenhum funcionário do governo dos EUA ainda admita o fato e poucos americanos se importem o suficiente para perceber, um destino semelhante agora aguarda os afegãos.

Se os Estados Unidos eram, de fato, o que muitos americanos imaginam ser seu país – excepcional, indispensável, agente escolhido pela história da salvação –, a história do envolvimento dos EUA no Afeganistão pode ter um final diferente. Mas nós não somos tão diferentes de outras grandes potências em outras eras.

A guerra dos Estados Unidos no Afeganistão começou com uma ilusão: que os EUA deveriam libertar e transformar aquele país. A guerra no Afeganistão terminará, como a Guerra do Vietnã acabou: na vergonha e no abandono.

Andrew Bacevich é o autor mais recentemente de “Twilight of the American Century”.

FONTE: Los Angeles Times

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas