Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Almirante britânico vê premissas para nova guerra mundial

O ex-comandante da Marinha Real britânica, almirante Alan West, declarou em entrevista à edição Daily Star que o agravamento da tensão com a Rússia faz lembrar a situação antes da Primeira Guerra Mundial.


Sputnik

O almirante prestou especial atenção ao perigo da situação existente entre a Rússia e Ucrânia, em que a Rússia é acusada de preparar uma intervenção na Ucrânia e Pyotr Poroshenko pede ajuda dos países da OTAN.


Militares da Guarda Nacional da Ucrânia se treinam conforme os padrões da OTAN (foto de arquivo)
Militares da Ucrânia © Sputnik / Stringer

Alan West avisou sobre o possível posicionamento de navios da OTAN no mar Negro, assinalando que a Primeira Guerra Mundial foi desencadeada por uma situação parecida.

"Foi exatamente isso que levou à Primeira Guerra Mundial. Mesmo que o impulso fosse o assassinato do arquiduque austríaco Francisco Fernando, no entanto, naquele tempo estava se realizando uma política de equilíbrio à beira da guerra", destacou.

O ex-comandante da Marinha Real do Reino Unido vê o início de uma guerra de grande escala na Ucrânia se a Rússia começar a usar "suas tropas" em Donbass, mas segundo a sua opinião, a OTAN não arriscaria se envolver nesse conflito.

"O que vamos fazer? Não é um ataque contra a OTAN, e será que nós realmente queremos enviar tropas para lá e nos envolvermos em uma guerra quente entre a Rússia e Ucrânia? É uma boa pergunta. Se não fizermos isso, permitiremos que a Ucrânia seja destruída. Então, é uma pergunta difícil", assinalou o almirante britânico.

Segundo ele, para evitar a guerra os países ocidentais devem exercer mais pressão sobre a Rússia, bloqueando ativos, impedindo os oligarcas russos de colocarem dinheiro nos paraísos fiscais.

As relações entre Moscou e Kiev se deterioraram depois da reunificação da Crimeia à Rússia em março de 2014 e do início do conflito em Donbass. A Ucrânia acusou a Rússia de envolvimento nos assuntos internos do país. Por sua vez, Moscou afirmou repetidamente que não faz parte do conflito interno ucraniano e tem interesse que o país supere a crise política e econômica.

Em 25 de novembro, a fronteira russa foi violada por três navios da Marinha ucraniana, que foram detidos, juntamente com seus 24 tripulantes, por não respeitarem as exigências legítimas das autoridades russas. No dia seguinte o parlamento ucraniano aprovou a introdução da lei marcial em algumas regiões do país por 30 dias.

O incidente no estreito de Kerch foi classificado pelo presidente russo, Vladimir Putin, como uma provocação, destinada a introduzir a lei marcial na Ucrânia, e assim adiar as eleições presidenciais.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas