Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Lançamento do Submarino Riachuelo – S40 (VIDEO)

Hoje, 14 de dezembro, às 10h da manhã em Itaguaí-RJ, teve início a Cerimônia de Lançamento do Submarino Riachuelo, o primeiro de uma série de quatro submarinos convencionais e um nuclear que estão sendo construídos pela Marinha do Brasil. A cerimônia conta com a presença do Presidente da República.
Poder Naval

O nome do primeiro submarino, “Riachuelo”, é alusivo à Batalha Naval do Riachuelo, considerada decisiva na Guerra do Paraguai, com atuação destacada da Marinha do Brasil.


Acompanhe a Cerimônia em tempo real no vídeo no final deste post.
Prosub

O Brasil tem o mar como uma forte referência em todo o seu desenvolvimento. É nessa área marítima que os brasileiros desenvolvem as atividades pesqueiras, o comércio exterior e a exploração de recursos biológicos e minerais. A imensa riqueza das águas, do leito e do subsolo marinho nesse território justifica seu nome: Amazônia Azul.

A Amazônia Azul cobre uma área de 3,5 milhões de quilômetros quadrados. Mas o país pleiteia na Organização das Naç…

Analista avalia aspectos militar e político de passagem de destróier dos EUA

O deputado russo Andrey Krasov e o especialista militar Alexandr Tushkov comentaram a aproximação do destróier norte-americano USS McCampbell das águas territoriais da Rússia no mar do Japão, chamando-a de "provocação clara" e "demonstração política".


Sputnik

Em 5 de dezembro, o USS McCampbell entrou no mar do Japão, aproximando-se das águas territoriais da Rússia. Segundo a Marinha dos EUA, a manobra foi realizada para mostrar que os militares estadunidenses "voarão, navegarão e atuarão em qualquer lugar onde a lei internacional permitir".


Destróier norte-americano USS McCampbell
USS McCampbell | CC BY-SA 2.0 / Naval Surface Warriors / 170310-N-DZ075-0027

Segundo o professor universitário e capitão aposentado russo Alexandr Tushkov, a passagem do destróier norte-americano próximo da Frota do Pacífico russa não encerra ameaça militar e não viola as leis do nosso país.

O especialista assinalou ao serviço russo da Rádio Sputnik que, do ponto de vista jurídico, os EUA não violaram a zona económica da Rússia. Quanto ao aspecto militar — não há nada de novo aqui. Nos tempos da União Soviética, estavam permanentemente submarinos norte-americanos no golfo de Pedro, controlando e realizando exercícios de vigilância.

Alexandr Tushkov opina que os EUA tentam reforçar a ideia sobre a exclusividade do seu país, mostrando que eles "navegam onde quiserem".

Do ponto de vista político, se trata de apoio psicológico dos EUA aos seus satélites políticos, ou seja, uma "demonstração política, não havendo ameaça militar", concluiu o especialista.

"Eles [os norte-americanos] provocam não apenas a Rússia nessa região, mas também a China, país nosso amigo. Há que sublinhar que a administração dos EUA muda, mas a retórica e as ações permanecem as mesmas: provocações, sanções e acusações infundadas", declarou o vice-presidente do Comitê de Defesa da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo), Andrey Krasov.

Para ele, este passo norte-americano demonstra claramente que essas ações não visam relações amigáveis e não pretendem procurar compromissos para negociações. O deputado acrescentou que a Rússia tem que declarar em todos os palcos a inadmissibilidade de tais ações.

"Ao mesmo tempo, nós devemos dizer que as Forças Armadas da Rússia defendem adequadamente as fronteiras do nosso país. Não devemos reagir a tais provocações", concluiu Krasov.

Posteriormente, em 6 de dezembro, o Ministério da Defesa russo desmentiu a passagem do destróier dos EUA perto da fronteira russa. O porta-voz da entidade, general Igor Konashenkov, declarou que o destróier USS McCampbell não se aproximou das águas territoriais russas a uma distância inferior a 100 quilômetros.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas