Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Analista nomeia 3 razões que ocasionariam conflito militar entre Rússia e EUA

Há pelo menos três razões que poderiam ocasionar confronto militar entre a Rússia e os Estados Unidos, acredita o vice-diretor do Centro de Pesquisas Europeias e Internacionais da Escola Superior de Economia, Dmitry Suslov.


Sputnik

Suslov alerta se tratar, a curto e médio prazo, de um confronto global repleto de riscos muito sérios, dentre eles, confronto militar entre Rússia e Estados Unidos com chances crescentes de acontecer.


EUA contra Rússia (imagem referencial)
© Sputnik / Alexey Filippov

"Em minha opinião, há pelo menos três cenários de confrontação militar involuntária entre a Rússia e os EUA", afirmou Suslov durante discussão "Segurança Internacional de 2018: situação e perspectivas".

O primeiro risco estaria relacionado a ameaças cibernéticas, ou seja, quando um país considera ataque cibernético contra si como início de ataque grandioso e reage não só ciberneticamente, mas militarmente.

"O segundo risco é a corrida armamentista descontrolada, incluindo instalação de mísseis de médio e curto alcance na Europa. Eu acho que chegaremos a esta realidade, infelizmente, daqui a uns anos", lamenta Suslov.

De acordo com especialista, o terceiro cenário de confronto militar involuntário entre a Rússia e os EUA estaria ligado à Síria ou à região do mar Negro, onde Moscou e Washington "já estão operando na mesma área operacional, ou podem operar se os Estados Unidos continuarem apoiando as provocações da Ucrânia".

No que diz respeito ao Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), o especialista observou que a saída dos EUA do tratado é inevitável, ocasionando, assim, uma corrida armamentista entre Moscou, Washington e Pequim tanto de mísseis nucleares de médio e curto alcance, como de armas estratégicas nucleares, o que levaria à queda do tratado Novo START.

Em outubro, o presidente americano Donald Trump ameaçou sair do INF, acusando Moscou de não cumprir o acordo. Kremlin declarou que, caso os EUA instalem novos mísseis na Europa, dará resposta idêntica.

Vladimir Putin avisou que os países, que concordarem instalar mísseis americanos em seu território, devem entender que passo dado poderá levar a ataque de resposta.

Nos últimos anos, Moscou e Washington vêm regularmente acusando um ao outro de violação do tratado INF. Rússia declarou inúmeras vezes que cumpre tudo que é necessário, e possui questões sérias quanto ao cumprimento do acordo pelos americanos.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas