Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Até que ponto são sérias ameaças de Washington a Moscou pelo incidente no mar Negro?

O Departamento de Estado dos EUA prometeu à Rússia "dor" e "consequências" pela detenção de navios e marinheiros ucranianos perto do estreito de Kerch. Cientista político russo avaliou quais poderão ser as consequências.


Sputnik

O Departamento de Estado dos EUA reiterou a sua posição quanto ao incidente no estreito de Kerch, qualificando as ações da Rússia como "ato de agressão" e "violação de direito internacional e liberdade de navegação" e pediu para que Moscou liberte os marinheiros detidos.


Três navios ucranianos, Berdyansk, Yanu Kapu e Nikopol, detidos pela parte russa por violar a fronteira, em 25 de novembro de 2018
Os 3 navios ucranianos detidos pela Rússia © Sputnik / Aleksei Malgavko

Segundo um representante estadunidense, Washington já tomou certas medidas contra a Rússia, em particular, desbloqueou a decisão da administração anterior quanto ao fornecimento de armas à Ucrânia e o presidente Donald Trump cancelou o seu encontro com Putin na cúpula do G20 em Buenos Aires. Se a Rússia não entender este sinal, Washington dará outros passos, acrescentou o representante.

O cientista político e analista da edição ucraniana Chas Pik, Vladislav Gulevich, comentou as ameaças de Washington para o serviço russo da Rádio Sputnik.

Na opinião dele, as principais medidas que os EUA poderão aplicar são sanções de todos os tipos e feitios.

"A política dos Estados Unidos consiste em afastar a Rússia e a sua influência, tanto militar como econômica e cultural, da região do mar Negro. Por isso, quaisquer concessões que a Rússia possa fazer não satisfarão Washington e este vai apresentar cada vez mais pretensões", disse Gulevich.

Porém, acredita o analista, o assunto não ganhará grandes dimensões e a sociedade ocidental acabará perdendo o interesse, apesar de as partes interessadas tentarem promovê-lo.

"Tudo vai se desenvolver tal como aconteceu após a reunificação da Crimeia com a Rússia: primeiro todos gritavam, agora discutem isso como algo cotidiano", concluiu.

Em 25 de novembro, três navios russos entraram nas águas territoriais russas temporariamente fechadas e violaram a fronteira da Rússia ao se dirigirem do mar Negro ao mar de Azov através do estreito de Kerch. Como realizaram manobras perigosas e não reagiram às exigências das autoridades russas, a guarda fronteiriça deteve as embarcações e 24 tripulantes. A Rússia abriu um processo penal por violação da fronteira, tendo um tribunal decidido pela prisão preventiva dos marinheiros ucranianos.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas