Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA vão suspender Tratado INF se Rússia não cumprir acordo, diz vice-secretário de Estado

Os EUA vão suspender suas obrigações no Tratado INF, que trata a respeito armas nucleares de médio alcance, no dia 2 de fevereiro se a Rússia não apresentar provas de que está cumprindo o acordo, disse o vice-secretário de Estado.
Sputnik

Em outubro, o presidente dos EUA anunciou que seu país abandonaria o Tratado INF, assinado pelos Estados Unidos e pela União Soviética em 1987.


Trump argumentou que Moscou estava desenvolvendo mísseis que violam esse pacto.

Em 4 de dezembro, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que Washington suspenderia sua adesão ao INF no prazo de 60 dias se a Rússia não voltasse a cumprir suas obrigações.

No entanto, a Rússia nega categoricamente todas as acusações. O líder russo, Vladimir Putin, declarou que Moscou se opõe à violação do Tratado INF, mas responderá se isso acontecer.

Chanceler da Espanha critica saída dos EUA da Síria

A decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de retirar as tropas da Síria gera incertezas tanto em termos da luta antiterrorista da coalizão quanto em "conseqüências geoestratégicas mais amplas", disse neste sábado (22) o ministro das Relações Exteriores da Espanha, Josep Borrell.


Sputnik

"A decisão inesperada do presidente Trump de retirar as tropas norte-americanas da Síria levanta algumas questões e gera incerteza. Por um lado, a completa derrota do terrorismo jihadista na Síria está longe de ser um fato consumado e, portanto, há sérias dúvidas sobre como a coalizão contra o EI continuará a operar. Por outro lado, a nova situação pode complicar o processo que a ONU está tentando colocar em ação. Além disso, há dúvidas sobre [possíveis] mudanças na presença da Rússia e do Irã no país — com consequentes consequências geoestratégicas", twittou Borrell.


Resultado de imagem para Josep Borrell
Josep Borrell | Reprodução

O ministro observou que tais situações provavam a "necessidade de autonomia estratégica real da Europa", acrescentando, contudo, que ele não questionou a importância da OTAN.

De acordo com Borrell, a renúncia do secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, também "cria uma lacuna significativa" na estratégia futura dos EUA.

A declaração vem logo após a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, anunciar na quarta-feira (19) que os Estados Unidos começaram a retirada de suas forças da Síria. Ela observou que a retirada das tropas não significou o fim da luta da coalizão internacional liderada pelos EUA contra o Daesh.

A declaração seguiu a observação do presidente Donald Trump sobre a derrota do Daesh na Síria. Trump acrescentou neste sábado (22) que "os países locais", incluindo a Turquia, devem ser capazes de lidar facilmente com os membros remanescentes do Daesh na Síria após a retirada dos EUA.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas