Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Chanceler russo: Poroshenko prepara provocação militar na fronteira com a Rússia

Pyotr Poroshenko está preparando uma provocação na fronteira com a Rússia, declarou o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, à rádio Komsomolskaya Pravda.


Sputnik

Conforme informações obtidas, Lavrov disse que tal provocação militar deverá ocorrer no final de dezembro.


Resultado de imagem para ucrania prepara provocação militar na fronteira com a Rússia
Tropas ucranianas © REUTERS / Aleksandr Klymenko

"Ele terá uma resposta e não será pequena, asseguro", disse o ministro, acrescentado que a Rússia não permitirá que o presidente ucraniano viole os direitos que os moradores da Crimeia defenderam em conformidade com a legislação internacional.

Além disso, Lavrov declarou que Kiev coordena esses passos com "os patrocinadores e curadores ocidentais".

Segundo as informações disponíveis, o chanceler russo observou que Poroshenko é aconselhado a apoiar operações militares de baixa intensidade para poder "gritar constantemente, no campo da propaganda, que os russos estão atacando a Ucrânia", mas também é aconselhado a não deixar que as operações militares atinjam uma fase que possa ser seguida por respostas em grande escala.

Provocação da Marinha da Ucrânia

Em 26 de novembro, após o incidente com navios ucranianos no estreito de Kerch, a Suprema Rada (parlamento ucraniano) aprovou a imposição da lei marcial por um prazo de 30 dias, abrangendo diferentes partes do país, decisão que já havia sido tomada pelo presidente Pyotr Poroshenko.

Na véspera, em 25 de novembro, três navios da Marinha ucraniana, Berdyansk, Nikopol e Yany Kapu, violando os artigos 19 e 21 da Convenção da ONU sobre o Direito Marítimo, cruzaram a fronteira da Rússia. Os navios realizaram manobras perigosas durante várias horas sem reagir às exigências das embarcações russas que os acompanhavam.

Foi tomada a decisão de usar armas. Os navios ucranianos foram detidos. Durante o incidente, três militares ucranianos ficaram levemente feridos. Eles receberam assistência médica e não correm risco de vida. A Rússia abriu um processo criminal por violação da fronteira.

O presidente russo, Vladimir Putin, considerou esse incidente no estreito de Kerch como uma provocação planejada pelo presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko. Em particular, o líder russo indicou que tudo foi organizado a fim de introduzir a lei marcial na Ucrânia, e assim adiar as eleições presidenciais.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas