Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA entregam armas modernas a forças curdas da Síria, escreve mídia

Os opositores americanos da retirada das tropas dos EUA da Síria entregaram armas modernas às Unidades de Proteção Popular (YPG), escreveu o jornal turco Yeni Akit, citando fontes locais.
Sputnik

A edição destaca que o fornecimento é referente a um grande número de modernos sistemas de mísseis antitanque Javelin e Tow. Supõe-se que os curdos usem essas armas contra tanques turcos, que logo entrarão em Manbij, no norte da Síria.


Segundo a publicação, as forças especiais turcas estão no momento realizando buscas por esses complexos nesta cidade e, devido a isso, a Turquia está atrasando sua operação militar na referida cidade.

Anteriormente, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan havia anunciado que, se os EUA não se retirarem da Síria, Ancara estaria pronta para lançar uma operação no leste do Eufrates, assim como em Manbij, contra as forças de autodefesa dos curdos sírios.

Em meados de dezembro de 2018, o líder americano, Donald Trump, declarou a vitória sobre o grupo de militantes Daesh …

'Chegar o mais próximo possível do Irã': político russo explica presença dos EUA no Iraque

A principal razão da permanência do contingente militar dos EUA no Iraque é a tentativa de pressionar o Irã, com o qual pode começar um conflito no Oriente Médio, disse à Sputnik Aleksandr Sherin, vice-presidente do Comitê de Defesa do parlamento russo.


Sputnik

Na quarta-feira (26 de dezembro), Trump visitou os militares americanos no Iraque com sua esposa Melanya. Durante esta visita de Natal, o presidente dos EUA disse que não planeja reduzir o contingente militar americano no Iraque, apesar da retirada anunciada das Forças Armadas dos EUA da Síria.


Militares dos EUA em Mossul, Iraque
Militares dos EUA no Iraque © AFP 2018/ THOMAS COEX

"Eu acho que os EUA estão interessados principalmente no território do Irã. Eles estavam interessados na Síria como um trampolim para uma invasão terrestre do território iraniano. Hoje, o Irã é um importante centro de tráfego de combustíveis, tem enormes recursos naturais e trânsito de petróleo e gás", declarou Sherin.

Segundo ele, o Irã é um parceiro muito sério da China, tendo acesso ao mar Cáspio. Portanto, o Irã para os EUA é uma zona estratégica e tudo o que acontece no Oriente Médio tem o objetivo de "chegar o mais próximo possível do Irã".

Esta é uma tentativa de avaliar a possibilidade de passar para ações ativas, não do território da Síria, como planejaram, mas do território do Iraque, disse o parlamentar.

Sherin destacou que agora EUA precisam de provocar algum conflito em algum lugar no Afeganistão, para que esse conflito se espalhe para algum outro país ribeirinho do Cáspio, por exemplo, o Turcomenistão, porque isso permitiria aumentar a presença militar norte-americana nesta região.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas