Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Destróier norte-americano se aproxima da fronteira oriental da Rússia

O destróier norte-americano USS McCampbell se aproximou do golfo de Pedro, o maior golfo do mar do Japão (também conhecido como mar do Leste), adjacente à costa russa da região de Primorie.


Sputnik

Segundo a Marinha dos EUA a manobra foi realizada para mostrar que os militares estadunidenses "voarão, navegarão e agirão em qualquer lugar onde a lei internacional permitir".


Navio USS McCampbell (DDG 85) dos EUA no Golfo Pérsico
USS McCampbell © AFP 2018 / HO / US NAVY / AFP

Em 5 de dezembro, o USS McCampbell entrou no mar do Japão, aproximando-se das águas territoriais da Rússia, segundo a porta-voz da Frota do Pacífico dos EUA, Rachel McMarr, citada pelo canal CNN.

A porta-voz acrescentou que os militares pretendiam desafiar "as excessivas pretensões marítimas da Rússia e defender os direitos e liberdades em relação ao uso legítimo do mar de que os EUA e de outros países desfrutam".

McMarr sublinhou que Washington não reconhece as reclamações da Rússia. Segundo os EUA, Moscou pretende controlar as zonas que se encontram mais além do que o direito internacional estabelece.

Ela disse que a recente manobra do destróier da operação "Navegação Livre" tem como objetivo mostrar que os EUA têm o direito de enviar seus navios a qualquer ponto de acordo com o direito internacional.

"Isso tem a ver tanto com o mar do Japão (também conhecido como mar do Leste) como com outros lugares em todo o mundo", acrescentou McMarr.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas