Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Especialista comenta chances de OTAN enviar navios ao mar Negro em apoio à Ucrânia

Senador americano John Barrasso declarou que gostaria de ver ações mais decididas dos EUA e da OTAN contra a Rússia no caso que envolveu a Ucrânia.


Sputnik

Além disso, Barrasso afirmou que o presidente americano agiu certo ao cancelar o encontro bilateral com o presidente russo, que estava previsto para ocorrer durante a cúpula do G20.


Navio de desembarque Yamal da Frota do Mar Negro da Rússia
Navio de desembarque Yamal da Frota do Mar Negro da Rússia © Sputnik / Vasily Batanov

"As palavras não significam nada para ele. Para ele apenas as ações importam, por isso, eu penso que devemos fazer mais", disse Barrasso, insinuando que o líder russo leva em consideração apenas a "força".

O senador sugeriu o envio de navios para o mar Negro por parte dos EUA, tentando encorajar a OTAN a seguir os passos americanos, como uma demonstração de força contra a Rússia. Além disso, Barrasso também sugeriu o envio adicional de armas antinavio e sistemas antiaéreos para a Ucrânia.

Perante a declaração do senador americano, o especialista e diretor do Instituto para Estudos Estratégicos, Grigory Tischenko, acredita que a OTAN não apoiará a ideia de enviar seus navios ao mar Negro, segundo o jornal The Hill.

Grigory Tishchenko enfatizou que é pouco provável que a OTAN se decida por esse passo, pois essa seria uma operação de alto risco, tanto para suas forças quanto para os países da região. Além disso, a decisão seria algo preocupante e traria sérias consequências negativas para todos os envolvidos.

O especialista também ressalta que uma ação como essa provavelmente seria apenas um desejo da própria Ucrânia, que estaria tentando fazer com que a OTAN resolva disputas causadas por eles mesmos ao realizar provocações, influenciando o senador americano para avançar com suas ideias.

Essa suspeita é gerada pelo fato de a Ucrânia possuir apoiadores no Congresso e no Senado americano, que sempre defenderam as decisões de Kiev.

Entretanto, o especialista russo acredita que as partes envolvidas terão bom senso e não seguirão os conselhos do senador americano em apoio à Ucrânia.

Anteriormente, o presidente norte-americano, Donald Trump, decidiu cancelar a reunião marcada com seu homólogo russo, Vladimir Putin, na cúpula do G20 na Argentina. O anúncio do presidente dos EUA aconteceu menos de uma hora depois de ele afirmar que era um "bom momento" para se encontrar com Putin, mas que tomaria uma decisão depois de receber um relatório completo sobre o incidente no estreito de Kerch.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas