Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Especialista militar afirma que armas russas podem salvar norte-americanos

Os torpedos russos Poseidon e os mísseis balísticos pesados Sarmat são capazes de destruir os EUA e, por isso, tornam desnecessária uma guerra nuclear e salvam o povo norte-americano, opinou o analista militar Konstantin Sivkov.


Sputnik

No artigo publicado no semanário Voenno-Promyshlenny Kurier, o vice-presidente da Academia de Problemas Geopolíticos, Konstantin Sivkov, revelou que a criação desse tipo de armamento é uma forma de "parar o agressor ainda no estádio de intenção".


Resultado de imagem para sarmat icbm
Míssil balístico russo Sarmat | Reprodução

"Esse tipo de armamento salva a vida dos povos de todos os países que possam vir a ser palco de uma Terceira Guerra Mundial, incluindo os países ocidentais. Com a ameaça de eliminar a elite norte-americana, a Rússia previne uma guerra nuclear, livrando o povo norte-americano das perdas horríveis que são inevitáveis até no caso de um ataque de resposta limitado", explicou o analista.

Sivkov opinou que as intenções de Washington de abandonar o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, conhecido como Tratado INF, revela que os EUA estão se preparando para uma guerra nuclear. Por isso, segundo o analista, para manter a paz é necessário que a guerra nuclear deixe de fazer sentido.

No final de outubro, o presidente Donald Trump advertiu que Washington estava considerando a retirada unilateral dos EUA do Tratado INF porque "a Rússia não observou o acordo", seja na forma ou no espírito. No entanto, o anúncio ainda não foi seguido por nenhuma medida concreta.

A Rússia tem sublinhado muitas vezes que observa rigorosamente as suas obrigações, tendo o chanceler Sergei Lavrov afirmado que Moscou tem, ela própria, sérias perguntas a fazer aos EUA quanto à sua observação do acordo.

Em particular, o Kremlin aponta as atividades militares dos EUA no terreno, por exemplo, na base militar na Romênia, bem como na Polônia, inclusive em relação à instalação de complexos capazes de lançar mísseis como os Tomahawk (o que é proibido pelo tratado).

A parte russa também chama atenção ao fato dos EUA desenvolverem drones de assalto e financiarem as pesquisas para criar um míssil de cruzeiro de baseamento terrestre.

Comentários

Postagens mais visitadas