Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA entregam armas modernas a forças curdas da Síria, escreve mídia

Os opositores americanos da retirada das tropas dos EUA da Síria entregaram armas modernas às Unidades de Proteção Popular (YPG), escreveu o jornal turco Yeni Akit, citando fontes locais.
Sputnik

A edição destaca que o fornecimento é referente a um grande número de modernos sistemas de mísseis antitanque Javelin e Tow. Supõe-se que os curdos usem essas armas contra tanques turcos, que logo entrarão em Manbij, no norte da Síria.


Segundo a publicação, as forças especiais turcas estão no momento realizando buscas por esses complexos nesta cidade e, devido a isso, a Turquia está atrasando sua operação militar na referida cidade.

Anteriormente, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan havia anunciado que, se os EUA não se retirarem da Síria, Ancara estaria pronta para lançar uma operação no leste do Eufrates, assim como em Manbij, contra as forças de autodefesa dos curdos sírios.

Em meados de dezembro de 2018, o líder americano, Donald Trump, declarou a vitória sobre o grupo de militantes Daesh …

EUA recorrerão ao uso de força se Irã bloquear estreito de Ormuz, afirma ex-agente da CIA

O ex-agente em contraterrorismo Philip Giraldi, oficial de inteligência militar da CIA, disse à Sputnik Internacional que entre os EUA e o Irã pode ocorrer um conflito se Teerã cumprir a ameaça de fechar o estreito de Ormuz. Giraldi prevê um aumento de tensões para maio de 2019.


Sputnik

Ao comentar o envio porta-aviões USS John C. Stennis para a região do Oriente Médio, o ex-oficial completou afirmando que "os porta-aviões sempre são deslocados para onde houver qualquer possibilidade de conflito".


USS John C. Stennis (CVN-74), um super-porta-aviões de propulsão nuclear norte-americano da classe Nimitz
Porta-aviões norte-americano USS John C. Stennis CVN-74 © flickr.com/ U.S. Pacific Fleet

"Isso é uma demonstração de força para antecipar qualquer ação agressiva do Irã, particularmente se eles tentarem interferir no tráfego no estreito de Ormuz, como ameaçaram", disse Giraldi.

Em 2 de dezembro, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, anunciou que o Irã havia testado um míssil de médio alcance que é "capaz de carregar múltiplas ogivas". Como resposta, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Bahram Qasemi, rejeitou as alegações, dizendo que o programa de mísseis do Irã é "defensivo por natureza" e não viola nenhuma das resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

Devido às sanções americanas, Teerã ameaçou várias vezes bloquear o estreito de Ormuz.

Em maio, Washington se retirou do acordo nuclear iraniano, ou Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA), e aplicou sanções contra a República Islâmica.

No início de dezembro, a agência Tasnim News informou que o destroier iraniano Sahand, munido com mísseis, havia se juntado à Marinha iraniana no golfo Pérsico. No dia 4 do mesmo mês, o presidente iraniano Hassan Rouhani sinalizou novamente a prontidão de bloquear o estreito de Ormuz (faixa marítima mais movimentada do mundo para embarques de petróleo), se Trump interromper o comércio de petróleo da República Islâmica.

"Se o Irã tentar interferir no tráfego ou até mesmo bloquear o estreito, haverá uma resposta dos EUA e seus aliados árabes no Golfo […] Se a situação piorar, acredito que irão atingir um alvo militar da Guarda Revolucionária [do Irã]. A situação poderia facilmente escalar a partir daí", enfatizou Giraldi.

"Acredito que quando as isenções [de sanções petrolíferas contra o Irã] expirarem em maio de 2019, o conflito aumentará", prevê o veterano da CIA, adicionando que "a maioria dos compradores de petróleo iraniano seguirão as exigências dos EUA", enquanto que outros não concordarão com isso, como a Turquia e a China (possivelmente também a Índia). Segundo Giraldi, os "Estados Unidos serão tentados a atacar militarmente o Irã para avisar aqueles que estão hesitando".

Anteriormente, Washington havia aplicado mais uma rodada de sanções contra Teerã, atingindo particularmente o setor petrolífero do país. Porém, para evitar o aumento dos preços do petróleo, a Casa Branca concedeu isenções a oito países.

Além disso, as alegações e notícias levantadas pelos EUA sobre o programa de mísseis iraniano podem prejudicar os membros da União Europeia, que demonstram compromisso com o JCPOA.

"O programa de mísseis balísticos é uma espécie de pista falsa, já que o Irã não possui ogivas para os mísseis que podem causar danos reais […] Todo mundo entende isso, mas os EUA e Israel estão explorando o programa para elevar o nível de ameaça", enfatizou o ex-agente.

Para o ex-oficial da inteligência, "Pompeo se concentra nos mísseis porque sabe que, caso contrário, o Irã está em total conformidade com o JCPOA e todos os outros acordos internacionais".

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas