Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Japão vai chamar navios da classe ‘Izumo’ de destróier multipropósito

Embora o navio de guerra japonês possa ser adaptado para transportar caças, os partidos do governo japonês chamarão o Izumo de “destróier multipropósito” para evitar críticas de que o uso como porta-aviões violaria a Constituição pacifista.


Poder Naval

Membros da equipe de trabalho do partido no poder na revisão das Diretrizes do Programa Nacional de Defesa, que o governo espera aprovar no final deste mês, chegaram a um consenso sobre como chamar os destróieres da classe “Izumo” durante uma reunião em 5 de dezembro.

JS Kaga
Destróier porta-helicópteros Kaga DDH-184

A administração Abe tem considerado a possibilidade de adaptar os “Izumo” da Força Marítima de Autodefesa do Japão como um porta-aviões eficaz que possa lançar jatos de combate furtivos F-35B fabricados nos EUA, que podem decolar e pousar verticalmente.

No entanto, uma questão sobre como manter a compatibilidade do uso com o Artigo 9 da Constituição, que renuncia à guerra, provavelmente continuará a ser um problema, com o “Izumo” se tornando um porta-aviões ofensivo de fato, o primeiro da frota japonesa.

A embarcação de 248 metros de comprimento dependeria de seu grupo aéreo de F-35Bs, excedendo a natureza defensiva conforme especificado na Constituição.

Na reunião, funcionários do Ministério da Defesa explicaram o plano de reforçar os conveses dos dois destróieres da classe “Izumo”, que transportam helicópteros, e fazer outros ajustes para que os F-35Bs possam ser lançados a partir de lá, segundo uma fonte que participou da reunião.

O governo tomou uma posição de que o Japão não tem permissão para operar um porta-aviões de ataque, o que marcaria um desvio do princípio de que o país deveria se limitar a manter as capacidades de autodefesa necessárias. Os legisladores, portanto, discutiram um nome oficial do novo porta-aviões em conformidade com a Constituição.

Uma proposta para chamar a embarcação de “porta-aviões defensivos” também surgiu do Partido Liberal Democrata, mas Komeito, o parceiro de coalizão do LDP, opôs-se à ideia, argumentando que usar o termo “porta-aviões” é inaceitável.

A proposta do PDL para as Diretrizes do Programa Nacional de Defesa compiladas em maio apresenta um termo de “navio-mãe de operação multipropósito”. No entanto, Komeito franziu a testa, dizendo que a expressão “bokan” evoca a imagem de “Kubo” (porta-aviões).

O LDP e Komeito finalmente concordaram em chamar o destróier da classe “Izumo” de “destróier de operações multipropósito”, de acordo com os participantes da reunião.

“O LDP e Komeito compartilharam uma visão comum de permitir que o porta-helicópteros fosse usado para operações multipropósito dentro do escopo de reconhecer a embarcação como um destróier”, disse Itsunori Onodera, ex-ministro da Defesa que lidera o trabalho dos partidos no poder que lidam com as revisões da diretriz, após a reunião.

As duas partes também compartilharam seus pontos de vista e opiniões sobre a necessidade de introduzir 100 ou mais F-35s no futuro durante a reunião.

Espera-se que aproximadamente 40 dos caças sejam modelos que possam decolar de distâncias curtas, com o objetivo de operá-los do convés do “Izumo” adaptado.

O Ministério da Defesa explicou que o LDP não tem intenção de usar o “Izumo” como um “porta-aviões de ataque”, disse uma pessoa envolvida no LDP.

Enquanto isso, um painel do governo de especialistas em revisão das Diretrizes do Programa Nacional de Defesa também chamou de “uma reunião sobre segurança e capacidades de defesa” em 5 de dezembro.

O governo apresentou um esboço de elementos das Diretrizes do Programa Nacional de Defesa, citando sua política preferencial de “adquirir e fortalecer capacidades nos campos do espaço, ciberespaço e ondas eletromagnéticas” em uma tentativa de reforçar as capacidades de defesa.

O governo está programado para adotar as diretrizes já em 18 de dezembro à luz das visões e opiniões da reunião de especialistas, bem como das partes no poder.

FONTE: The Asahi Shimbun

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas