Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Maduro acusa Bolsonaro de tramar sua deposição e assassinato

Presidente venezuelano diz que Brasil e Colômbia cooperam com plano dos Estados Unidos


Maolis Castro | El País


Caracas - Nicolás Maduro tem oficialmente um novo inimigo: o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro. O Executivo venezuelano denunciou nesta quarta-feira, 12, que os Estados Unidos estariam preparando um plano de magnicídio com a cumplicidade os Governos brasileiro e colombiano. “Hoje venho, outra vez, denunciar o complô que se prepara na Casa Branca para violentar a democracia, me assassinar e impor um governo ditatorial na Venezuela”, disse. “Ninguém no Brasil quer que o futuro Governo de Jair Bolsonaro se meta numa aventura militar contra o povo da Venezuela”, acrescentou.

Maduro, durante uma entrevista coletiva
Maduro, durante uma entrevista coletiva | C. HERNÁNDEZ - EFE

O mandatário acusou diretamente John Bolton, assessor de segurança da Casa Branca, de encabeçar o suposto complô. E aproveitou sua denúncia pública para dedicar uma série de desqualificações a seu homólogo colombiano, o direitista Iván Duque: “Ele não quer relações diplomáticas, nem políticas, nem de comunicação com o Governo legítimo da Venezuela”.

O discurso do inimigo externo é recorrente no chavismo. Maduro pediu às Forças Armadas que estejam “preparadas” para um ataque estrangeiro. “Que nunca se enganem, porque vamos dar uma lição”, advertiu. Na segunda-feira, 10, o presidente havia alardeado a presença de dois bombardeiros russos, com capacidade para transportar armas nucleares, e manobras militares no aeroporto Simón Bolívar, nos arredores de Caracas. As relações entre a Rússia e a Venezuela são estreitas desde que o chavismo assumiu o poder, a exatos 20 anos. Sua aliança se baseia na troca de armas e equipamentos militares por petróleo.

A demonstração de força desagradou a Administração de Donald Trump. O secretário de Estado Mike Pompeo qualificou-a como um ato de “dois Governos corruptos esbanjando dinheiro público”. Enquanto isso, o Governo de Vladimir Putin respondeu que as palavras do norte-americano eram “inapropriadas”.

O herdeiro político de Chávez não se apoia apenas em seu homólogo Putin. Há alguns dias, gabou-se do respaldo da Turquia, país com o qual firmou acordos no valor de 5,1 bilhões de dólares (19,7 bilhões de reais). Trata-se de uma estratégia para demonstrar que não está plenamente isolado nesta reta final para o 10 de janeiro, quando toma posse em seu segundo mandato, cuja legitimidade é colocada em dúvida por vários governos democráticos. Acusam-no de ter sido reeleito em um pleito “fraudulento” e não admitido pela oposição, em 20 de maio. “Os Governos que façam o que quiserem. Se quiserem ir embora da Venezuela com seus embaixadores, podem ir todos, já!”, disse o mandatário.

Nunca antes um presidente venezuelano tinha contado com tanta reprovação na América. Mas a baixa popularidade e a rejeição não detêm Maduro, segundo quem várias das “mais importantes potências” internacionais “respeitam, apoiam e gostam” do seu Governo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas